OK

Copyright TodoDia Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização por escrito do TodoDia Online.

Close

França fará sua terceira final de Copa em 20 anos

Esportes

FOLHAPRESS RÚSSIA | 10/07/2018-22:21:38 Atualizado em 10/07/2018-22:08:26
Reprodução | Facebook | Fifa World Cup
UMTITI | Defensor de origem camaronesa fez o gol da classificação

Em julho de 1998, o lateral e zagueiro Lilian Thuram, nascido em Guadalupe, fez o que não se esperava dele: anotou dois gols e colocou a França na final da Copa do Mundo.
Vinte anos depois, em julho de 2018, o defensor Samuel Umtiti, filho de Iaundé, capital de Camarões, foi ao ataque e, com uma cabeçada, voltou a colocar a seleção francesa na decisão do Mundial.
Foi o lance que definiu a vitória por 1 a 0 sobre a Bélgica ontem, em São Petersburgo.
A França espera agora o vencedor do confronto entre Inglaterra e Croácia, que fazem a outra semifinal. A partida será hoje, em Moscou, cidade que também receberá o último jogo do torneio, no domingo.
O JOGO
Foi partida com velocidade, disputada e nervosa. Mas apenas dentro de campo. Com pequeno número de torcedores nas cadeiras da arena de São Petersburgo, belgas e franceses pouco foram ouvidos. Em determinado momento do segundo tempo, a única torcida ouvida foi a brasileira, que tinha ingressos para a partida na esperança de que a seleção de Tite estivesse presente. A Bélgica não deixou que isso acontecesse.
Como a Copa do Mundo é de futebol, não de torcidas, os belgas tinham melhor toque e tentava sair mais para o jogo. Com liberdade de movimentação, Eden Hazard criava problemas todas as vezes que pegava na bola. Duas vezes poderia ter aberto o placar, mas errou o alvo na finalização.
Não havia cobertura para Pavard. Mas o lateral francês, quando foi à frente, quase fez o gol aos 39. Saiu de frente para Courtois, que fez grande defesa.
Nenhum dos dois técnicos tentou surpreender o outro. Roberto Martínez não repetiu a fórmula que apanhou Tite desprevinido nas quartas de final. Lukaku, embora tenha saído da do centro do ataque em alguns momentos, não foi um ponta, como aconteceu contra o Brasil. De Bruyne foi mais armador que falso 9. A França fazia de tudo para obter um lançamento para Mbappé em velocidade.
Deu certo uma vez antes do intervalo. O atacante cruzou para Giroud, que ainda não fez gols na Copa do Mundo. Ficou explicado o motivo. O centroavante finalizou fraco, mal e sem direção.
A França precisou de apenas uma jogada no segundo tempo para colocar a Bélgica em estado de desespero. Aos cinco minutos, Umtiti se antecipou à zaga adversária na cobrança de escanteio e fez o 1 a 0.
Foi a senha para a equipe de Didier Deschamps recuar, deixar apenas Griezmann ou Mbappé no ataque e esperar para sair em velocidade. Aconteceu três vezes, mas em todas Mbappé tentou o passe em vez do lance individual e não aconteceu nada.
A Bélgica precisava cada vez mais de Hazard e ele buscava a bola e se deslocava. A solução belga era tentar os chutes de fora da área (Wietsel e De Bruyne arriscaram três vezes) e cruzar bolas na área para aproveitar as alturas de Fellaini e Lukaku.
Era questão de tempo. Não havia resposta que a equipe de Roberto Martinez pudesse fazer para conseguir o empate. A França deixou o jogo correr e até sua torcida encarou a vitória com ar blasé. Pouco importava. Tal qual Thuram há 20 anos, Umtiti foi outro defesor a colocar sua seleção na final da Copa do Mundo. Tolisso ainda desperdiçou uma oportunidade para anotar o segundo, nos acréscimos.