OK

Copyright TodoDia Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização por escrito do TodoDia Online.

Close

Renovação política não depende só de horror à corrupção, diz FHC

Eleições

06/07/2018-22:00:44 Atualizado em 06/07/2018-21:55:09
Wilson Dias | Agência Brasil
PAINEL | Ex-presidente participou do Encontro Nacional da Indústria

Para o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), a renovação política nas eleições pode ser dificultada pela distribuição atual de recursos eleitorais, embora o povo esteja com "horror à corrupção", e que isso pode levar a frustração do eleitorado.
"A renovação não depende só do povo que tem horror a isso ou aquilo, depende das engrenagens", afirmou em entrevista após participar de painel no Enai (Encontro Nacional da Indústria) em Brasília.
Em sua fala, ele havia dito que o povo "tem horror à corrupção e descobriu pela Lava Jato as bases podres do poder".
"A legislação atual deu dinheiro só para os partidos. A oligarquia partidária que dispõe de recursos, ela vai jogar esses recursos para ajudar a eleger quem é próximo a ela. Então é complicado isso daí, você vai ter de novo a possibilidade de uma frustração", disse.
O ex-presidente também afirmou que falta no país uma instância moderadora. Segundo ele, a sociedade está fragmentada e é preciso eleger alguém com poder moderador.
FHC defendeu uma união de centro, mas disse que não se trata de unir o chamado centrão em torno de uma candidatura. "Tem que ser um centro popular, progressista. Não é o centrão, juntar os interesses fisiológicos de cada partido, senão dá na mesma coisa que hoje", afirmou
SEM VOTO
No debate, em que participaram também o ex-presidente da Petrobras Pedro Parente e o professor de direito constitucional Joaquim Falcão, FHC afirmou que as circunstâncias podem fazer surgir lideranças mesmo que não pelo voto.
"Tomara que a democracia permita que elas nasçam pelo voto. Mas se não nascerem pelo voto, vão nascer de outra maneira", disse.
| FOLHAPRESS