OK

Copyright TodoDia Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização por escrito do TodoDia Online.

Close

Alto índice de poluição causa risco

Cidades

ANDRÉ ROSSI REGIÃO | 09/06/2018-17:43:44 Atualizado em 09/06/2018-17:35:00
Luciano Claudino | Código 19
RIO PIRACICABA | Nível de poluição está três vezes maior do que o considerado normal para o período

Um estudo do Cena (Centro de Energia Nuclear na Agricultura), da Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz) apontou que o nível de poluição do Rio Piracicaba está três vezes maior do que o considerado normal para esse período do ano. Alinhado ao baixo teor de oxigênio na água, a situação preocupa, já que uma chuva muito forte poderia causar mortandade da vida aquática.
De acordo com o pesquisador da USP (Universidade de São Paulo) de Piracicaba, Plínio Barbosa de Camargo, o índice de poluição (conhecido como condutividade elétrica) constatado semana passada é praticamente o mesmo do ano passado: 380. O normal para o período seria algo entre 150 e 180. Porém, o que chamou a atenção dos pesquisadores foi o teor de oxigênio. A medição ocorreu no começo da semana.
"O oxigênio estava bastante baixo, cerca de 10%, sendo que no ano passado tínhamos 30%, 35%. O mínimo é 50%, pra baixo disso começamos a ficar preocupados. O oxigênio estava baixo provavelmente porque estamos com uma carga poluidora alta", explicou Camargo.
Segundo o professor, uma chuva muito intensa poderia provocar a mortandade da vida aquática no Rio Piracicaba. "Se tivermos essa chuva intensa, vai haver um revolvimento do fundo do rio e isso poderia causar a mortandade. Se for enchendo devagar, esse processo não ocorre", disse.
AMERICANA
A água do Rio Piracicaba é utilizada para abastecimento público em Americana. Camargo explica que não existe um risco para o consumo, mas ressalta que a qualidade da água do rio não é boa.
"Piracicaba pega 95% da sua água (de consumo) no Rio Corumbataí, não no Rio Piracicaba. A cidade já considera que a água é tão suja que prefere buscar a 9 km de distância. (...) Já é algo antigo, mas as estações conseguem fazer o tratamento", explicou.
O diretor geral do DAE (Departamento de Água e Esgoto) de Americana, Carlos Cesar Gimenez Zapia, afirmou que a unidade não precisou fazer alterações no tratamento.
"Em Piracicaba há uma concentração maior de poluição porque o rio recebe descargas de outras águas, como do (Ribeirão) Quilombo e (Ribeirão) dos Toledos. Em Americana,  a represa Salto Grande ajuda a segurar os poluentes e o rio tem uma qualidade um pouco melhor. Por enquanto, o DAE não precisou alterar os insumos de produtos para tratamento. Com a redução das chuvas, já detectamos uma mudança na qualidade, mas o DAE está monitorando a situação com análises laboratoriais", garantiu Zapia.