OK

Copyright TodoDia Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização por escrito do TodoDia Online.

Close

Nova tabela de frete tem redução de 20%

Brasil e Mundo

FOLHAPRESS E AGÊNCIA BRASIL BRASÍLIA | 07/06/2018-22:35:23 Atualizado em 07/06/2018-22:26:27
Tomaz Silva | Agência Brasil
manifestações| Protestos de caminhoneiros causaram mudança

Na tentativa de agradar tanto o agronegócio como os caminhoneiros, a nova tabela mínima do frete anunciada pelo governo federal terá, em média, uma redução de 20% do preço médio em relação à media de mercado.
A nova tabela foi publicada ontem no site da ANTT (Agência Nacional dos Transportes Terrestres) e validade imediata.
Segundo o ministro dos Transportes, Valter Casimiro, foi possível chegar ao novo patamar por uma mudança na metodologia, que passou a considerar caminhões de diferentes eixos.
"A nova tabela conseguiu normalizar o valor do frete próximo ao que já havia sido aplicado no mercado", disse. "Ela preserva os contratos já assinados e corrige a distribuição do custo por eixo dos veículos", acrescentou.
Segundo ele, ela foi apresentada e teve a aprovação tanto das empresas de transporte de setores como do agronegócio e de combustíveis como de representantes de caminhoneiros autônomos.
"Na média de redução, foi de 20% do que estava na tabela anterior. Os contratos já assinados de frete não seguem à nova tabela, porque não podemos retroagir", disse.
Na próxima semana, de acordo com ele, a agencia federal fará um chamamento público para começar a discutir a elaboração de um nova tabela, desta vez mais completa.
De acordo com a ANTT, a nova tabela vai responder as principais dúvidas dos transportadores e contratantes dos serviços de transporte rodoviário de cargas. "Entre os principais pontos da regulamentação, podem-se destacar: o estabelecimento dos valores de frete por km/eixo para outras combinações de veículos e a possibilidade de negociação do frete de retorno entre o contratante do frete de origem e o transportador", informou a agência.
A medida, publicada por meio de resolução, estabelece ainda os casos em que a tabela de preços mínimos não será aplicada. Entre os casos em que os valores não serão aplicados estão o de transporte de produtos radioativos, o transporte de valores, de coleta de lixo, no frete de retorno, quando o veículo não for movido a diesel, entre outros.