OK

Copyright TodoDia Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização por escrito do TodoDia Online.

Close

Ponte da Amizade terá 130 câmeras de monitoramento

Polícia

MARCELO TOLEDO FOZ DO IGUAÇU | 03/05/2018-23:21:46 Atualizado em 03/05/2018-23:18:28
BIG BROTHER | Movimento na Ponte da Amizade: mais vigilância

A ponte da Amizade, principal e mais famosa ligação entre o Brasil e o Paraguai, receberá 130 câmeras para monitorar o tráfego de veículos e o fluxo de pedestres diário entre os dois países.
O projeto foi elaborado pela PF (Polícia Federal), custará cerca de R$ 2,5 milhões e será pago pela Itaipu Binacional.
"Assinamos convênio com a participação da PF para financiar a colocação de câmeras em toda a ponte, para combater [o tráfico de] drogas e contrabando de cigarro", afirmou Marcos Vitorio Stamm, diretor-geral brasileiro de Itaipu.
Não há previsão para a colocação em funcionamento de todo o sistema, já que o projeto depende de licitação.
A proposta prevê ainda que o sistema será operado pelos dois países e cada um terá controle dos dados que forem coletados em seu território.
A região da ponte da Amizade, embora já seja a fronteira mais vigiada do país, é também um local em que é possível encontrar pequenas embarcações cruzando o rio Paraná de uma margem a outra, além de laranjas que cruzam a ponte mais de dez vezes por dia com produtos contrabandeados.
A reportagem flagrou no último mês, por três dias seguidos, barcos fazendo a travessia ilegal entre os dois países ao amanhecer.
Eles fazem a travessia entre 5h30 e 7h, sempre no mesmo ponto, com desembarque em "portos" ilegais abertos às margens do rio Paraná e, dali, partem em veículos normalmente por estradas vicinais para evitar a fiscalização na BR-277, principal via de acesso a Foz.
De acordo com Stamm, o projeto é importante por envolver aspectos da segurança nacional e também da própria hidrelétrica.
Questionado pela reportagem sobre ações de segurança adotadas no lago de Itaipu para coibir as travessias ilegais de barcos com produtos contrabandeados do Paraguai para o Brasil, Newton Kaminski, diretor de coordenação de Itaipu, afirmou que o local é um "grande desafio" em termos de vigilância devido à sua dimensão e que há acordos com órgãos de fiscalização para as ações de repressão.
"Temos 170 quilômetros em linha reta de Foz do Iguaçu a Guaíra [extensão do lago], mas são 1.400 quilômetros de margens do reservatório. Temos convênios com a PF, como uma base embaixo da ponte da Amizade. Também temos a Marinha como nossa parceira e, ao longo do reservatório, convênios com a polícia."
EVITAR OU REDUZIR
Kaminski disse que as parcerias têm como objetivo evitar ou reduzir a entrada de contrabando no Brasil.
Na Ponte da Amizade, que conta com fiscalização da PF, da PRF (Polícia Rodoviária Federal), da Receita Federal e da Força Nacional, há laranjas do contrabando que chegam a cruzar o espaço até 15 vezes por dia em troca de R$ 10 a R$ 20 por passagem.
Além do lago de Itaipu, quadrilhas de contrabandistas e de traficantes utilizam os cerca de 800 quilômetros de fronteira seca entre os dois países após o fim do lago, em Guaíra.