OK

Copyright TodoDia Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização por escrito do TodoDia Online.

Close

O Brasil se rende aos caminhoneiros

Opinião

Chico Sardelli | Deputado estadual - 31/05/2018-19:47:19 Atualizado em 31/05/2018-19:39:30

Os caminhoneiros conseguiram parar o Brasil por meio de um movimento ordeiro e organizado, com objetivos bem definidos, e trazer a sociedade para junto deles. Nas redes sociais, chamou atenção o grande apoio que a categoria recebeu com postagens "somos todos caminhoneiros".
O movimento é justo, sem bandeiras partidárias ou de sindicatos. O alerta dos caminhoneiros foi certeiro.
O recado das ruas é claro. Há uma insatisfação geral. O Brasil está clamando por um novo rumo. A insensibilidade do governo federal provocou a paralisação dos caminhoneiros, que pode ter reflexo em outras categorias, como os petroleiros. Esse movimento pode ser o gatilho para outras ações, também iniciadas pelo povo. Faltou habilidade, eficiência, preparo para o governo federal, que desde outubro passado estava sendo avisado sobre a iminência de uma paralisação de grandes proporções, caso não tivesse uma redução nos tributos e mudanças na política de reajustes da Petrobras. Pelo menos três avisos foram dados pelas entidades representativas dos caminhoneiros.
A situação que chegou o país representa a irresponsabilidade e insensibilidade do governo federal, que na minha opinião não é legítimo e não merecia estar no poder. O governo não deu atenção aos avisos, a uma greve anunciada, prejudicando toda uma população. Um governo que vem com sérios problemas, uma crise seguida de outra, e não tomou as medidas cabíveis para livrar a população de um momento como esse de desabastecimento. A concentração dos caminhoneiros nas rodovias foi justa.
Por outro lado, destaco a atuação do governador de São Paulo, Márcio França, por sua grande liderança, está preparado para discutir questões importantes para o Estado e o país. Diante das dificuldades que o país passa, chamou para si a responsabilidade por São Paulo, mostrando sua capacidade de diálogo, buscando soluções a favor dos caminhoneiros e dos paulistas. Convidou a categoria para se sentar na mesa de negociação. Tive a oportunidade participar de uma dessas reuniões e atestar sua habilidade na negociação.
Nas eleições de outubro, o povo brasileiro terá a oportunidade de escolher um novo governo. Não se furte em participar desse momento democrático. A ausência dos eleitores de bem só favorece aos maus políticos, que não estão comprometidos com a sociedade. Avalie bem o histórico dos candidatos e vote consciente.
Com um governo legitimamente eleito, entendo que há urgência em outros dois pontos: uma reforma política completa e séria, já que o regime presidencialista está falido, sem sustentação e o Brasil precisa de um novo modelo de governo (eu defendo o parlamentarismo); e uma reforma tributária, com o governo cortando gastos públicos, para reorganizar a nação como um todo, para desonerar o país e fazer o país andar. Ninguém aguenta mais tantas taxas e impostos. Também não adianta aumentar impostos para reduzir o valor do diesel agora.
A sociedade está de olhos bem abertos, atenta também aos aproveitadores que aumentam preços dos produtos. Não aceite abusos, denuncie ao Procon de sua cidade. O alerta dos caminheiros valeu a pena. Hoje somos todos um pouco caminhoneiros. Avante Brasil!