OK

Copyright TodoDia Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização por escrito do TodoDia Online.

Close

Após 10 dias, paralisação acaba

Cidades

FRANCISCO LIMA NETO REGIÃO | 30/05/2018-23:15:48 Atualizado em 30/05/2018-23:07:04
Divulgação
CHEGOU| Postos da região começaram a ser abastecidos ontem

A greve dos caminhoneiros acabou na tarde de ontem na região. A expectativa do Recap, sindicato que representa os postos, é que situação esteja normalizada na segunda-feira.
Ainda ontem, a Petrobras anunciou aumento no preço da gasolina em 0,74%. O reajuste entrará em vigor hoje e o preço médio do litro da gasolina, sem tributo nas refinarias, será de R$ 1,9671, com alta de 0,74% em relação à média atual de R$ 1,9526 Congelado por 60 dias, o preço médio nacional do litro do diesel permanece em R$ 2,1016. As informações são da Agência Estado.
Durante a manhã de ontem, cerca de 50 caminhões ainda estavam parados nas proximidades da Replan (Refinaria de Paulínia), mas sem atrapalhar a chegada e saída dos caminhões-tanque. A medida foi tomada após assembleia. A greve durou 10 dias.
Os caminhoneiros que estavam no local fizeram uma assembleia por volta do meio-dia e decidiram pelo fim da mobilização. Todos os caminhões que chegavam ao local para abastecer não sofrerem nenhum tipo de impedimento para entrar ou sair da refinaria.
De acordo com a PM (Polícia Militar), que estava no local ao longo do dia e acompanhou a situação, as distribuidoras puderam trabalhar normalmente, sem nenhum tipo de manifestação. "A PM já reduziu o policiamento. Não há mais a necessidade de tanto esforço operacional. Os caminhões estão circulando sem escolta e a tendência é de normalização e que o abastecimento comece a ser restabelecido aos poucos", disse o Major Emerson Massera.
O presidente do Sintac RMC (Sindicato Dos Trabalhadores Autônomos De Carga De Campinas E Região Metropolitana), Benedito Pantalhão, admitiu que já ocorria a desmobilização. "Os que não aguentarem estão liberados. Os caminhoneiros já estão todos indo para casa", disse.
Ele, no entanto, se mostrava contrariado. "Vai de cada um, eu e muitos dos nossos, continuamos com a luta, agora quem concorda e compactua com a atual situação, só posso dizer: parabéns", criticou.
Não houve mais manifestações e nem cerco aos caminhões carregados que saíam da região da Replan.
A CCR AutoBAn informou que não houve manifestações no Sistema Anhanguera-Bandeirantes nas regiões de Campinas, Americana e Sumaré. "Em Limeira, no km 148 da Via Anhanguera, o grupo de caminhoneiros que ocupava as margens da rodovia (sem interdição de faixas), já se desmobilizou e deixou o local", explicou.
Sobre os impactos da greve dos caminhoneiros nas refinarias, a Petrobras informou que todas as suas unidades estão em operação.
"Onde há bloqueio nas vias de acesso, a empresa está buscando apoio das autoridades para que sejam tomadas medidas que garantam a circulação. A partir das refinarias, os combustíveis seguem para as distribuidoras, que estão gradativamente retomando o abastecimento, priorizando os serviços essenciais", concluiu.
RECAP
De acordo com Flávio Campos, presidente da Recap (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de Campinas), a Associação Plural (Sindicato das cias distribuidoras BR, Shell e Ipiranga) informou que ontem, até às 18h, 360 caminhões tinham sido carregados na Replan, contra 102 anteontem. Na segunda-feira, apenas 68 tinham conseguido ser abastecidos.
Ainda segundo ele, a situação deve estar sob controle na região na segunda-feira.