OK

Copyright TodoDia Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização por escrito do TodoDia Online.

Close

RMC tem 88 ocupações em risco

Cidades

BETO SILVA AMERICANA | 02/05/2018-23:10:57 Atualizado em 02/05/2018-23:07:20

O incêndio no edifício Wilton Paes de Almeida, no Centro de São Paulo.na madrugada desta terça-feira, 1º, ocupado por 169 famílias sem teto, trouxe à tona a vulnerabilidade das ocupações em áreas de risco nas cidades da região.
De acordo com os dados do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU) Regional de Campinas, na Região Metropolitana de Campinas (RMC) existem 88 ocupações em áreas de risco. Neste número, segundo o subgerente do Conselho, Victor Chinaglia, não estão computados todos os acampamentos e assentamentos irregulares.
"Neste total estão apenas alguns acampamentos localizados em regiões ribeirinhas", destacou.
De acordo com Chinaglia, outro dado que chama atenção, é o grande número de imóveis construídos ou adaptados sem acompanhamento de um profissional. Segundo o arquiteto, 40% dos imóveis construídos e/ou adaptados para serem moradia, não passaram por acompanhamento profissional. "São os chamados cortiços ou habitações clandestinas onde o proprietário faz adaptações para várias famílias morarem", explicou.
A exemplo do edíficio Wilton Paes de Almeida, o poder público vem sendo alertado quanto a necessidade de regularização dessas moradias e da criação de políticas públicas voltadas para a questão da moradia. "O Poder Público é alertado tanto pelo CAU como pela sociedade. os vizinhos a estas áreas fazem denúncias e cobram medidas sobre os riscos, mas os efeitos são poucos", afirmou Chinaglia.
AS OCUPAÇÕES
Entre as ocupações mais recentes na região, o arquiteto citou o acampamento Roseli Nunes numa área localizada em Americana, na região do pós-represa e a Granja Caovi localizada nos limites das cidades de Americana, Cosmópolis e Paulínia. Neste casos, Chinaglia cita a necessidade do envolvimento de mais de uma prefeitura para buscar soluções para o problema. No caso da granja, uma cooperativa de Paulínia adquiriu a área ocupada pelas famílias e vai criair um condomínio misto com 500 moradias.
A criação do Plano Diretor Urbanístico da RMC é aguardada com expectativa pelo CAU que espera definir áreas de regularização fundiária." Nós vamos acompanhar e esperamos definir áreas uma vez que elas estão em periferias e muitas delas exigem o apoio de mais de uma prefeitura", concluiu.
SÃO PAULO
Chinaglia é um dos arquitetos que produziram a nota oficial divulgada pelo CAU referente ao incêndio, na tarde do dia 1°, logo após a tragédia. No comunicado, o conselho lamenta o ocorrido com as famílias e classifica o caso "como um exemplo do descaso do Poder Público, em todas as esferas, com o atual quadro urbanístico das cidades e com ausência de uma Política Habitacional Nacional consistente aliada à preservação do patrimônio histórico de São Paulo".
O edifício, projetado pelo arquiteto Roger Zmekhol, em 1961, era um dos melhores exemplos da arquitetura moderna na cidade e foi tombado, em 1992, pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo.
No entanto, segundo o órgão, já estava degradado pelo abandono, falta de manutenção e sucessivas ocupações informais e outras organizadas.
"Sem se entenderem, o governo, nas diversas esferas e a Justiça permitiram que o cenário fosse se perpetuando, o que adiou sua possível recuperação e nova destinação, com potencial para amenizar a precária situação habitacional do centro e dar melhor uso à infraestrutura da região", traz a nota.