OK
Close

Roma surpreende e elimina o Barcelona

Esportes

FOLHAPRESS SÃO PAULO | 10/04/2018-23:16:23 Atualizado em 10/04/2018-23:12:58
Arquivo |TODODIA Imagem
APAGADO | Bem marcado, Messi não conseguiu audar o Barça

O improvável aconteceu. Derrotada no jogo de ida por 4 a 1, no Camp Nou, a Roma precisava de uma virada histórica diante do invicto Barcelona nesta terça-feira, 9), para seguir na Liga dos Campeões. E, milagrosamente, conseguiu. Em alta intensidade desde o apito inicial e empurrado por um Estádio Olímpico lotado, a equipe italiana bateu os catalães por 3 a 0 e teve a raça premiada com a classificação às semifinais da Liga dos Campeões.
Dzeko abriu o placar no início do primeiro e, na etapa final, conseguiu uma penalidade para De Rossi ampliar. A nove minutos para o fim do duelo, o zagueiro Manolas escorou escanteio e marcou o gol da classificação.
A Roma conhecerá o adversário por um lugar na decisão do torneio europeu nesta sexta-feira (13), em sorteio organizado pela Uefa
Jogadores que simbolizam a força das categorias de base do Barcelona, o meia Iniesta e o atacante Messi fizeram nesta terça a centésima partidas juntos com a camisa do clube catalão pela Liga dos Campeões. A parceria já rendeu 30 títulos ao Barça. Com a bola, ambos encontraram dificuldades para se livrar da marcação da Roma. O argentino, aliás, foi vítima de falta violenta de Juan Jesus, que rendeu cartão amarelo ao zagueiro brasileiro no primeiro tempo.
O primeiro gol da Roma parece ter deixado a defesa dos visitantes ainda mais confusa, e erros na saída de bola ocorreram em frequência. Com a bola e precisando de mais gols, o time italiano tentou explorar o jogo aéreo com Dzeko (1,93m de altura) e Schick (1,86m).
Com o placar agregado a favor, o Barça tentava reter a bola no campo de ataque o máximo de tempo possível. Mesmo com menos posse de bola no primeiro tempo (45% x 55%), a Roma conseguiu cinco finalizações certas, contra três dos visitantes.
segunda etapa
A Roma manteve a toada ofensiva no segundo tempo, ainda que com pouca efetividade. Quando o desespero pelo segundo gol já ameaçava aparecer, Dzeko ganhou a disputa na área com Piqué, que puxou o atacante escandalosamente dentro da área. O árbitro francês Clément Turpin relutou por alguns segundos, mas marcou a penalidade. Aos 12 minutos, De Rossi cobrou a infração no canto esquerdo de Ter Stegen, forte e à meia altura, para ampliar.
Foi a primeira vez que o Barça sofreu dois gols na mesma partida de Liga dos Campeões desde abril de 2017, nos mata-matas contra a Juventus. Para a Roma, faltava mais um para a virada histórica e a classificação às semifinais da Liga dos Campeões.
Com dificuldade para atacar e sem a criatividade de seus principais astros para fugir da forte marcação, o Barcelona tentou acalmar os ânimos usando a vantagem que ainda tinha, dando um toque "sul-americano" ao confronto ao parar o jogo com faltas e sem pressa para repor a bola.
A Roma seguiu desperdiçando chances e ainda contou com Ter Stegen em defesa milagrosa após chute de Under na pequena área. De tanto insistir, e não desistir, a Roma foi premiada com o tão sonhado terceiro gol, aos 36 minutos. O zagueiro grego Manolas aproveitou escanteio cobrado próximo à primeira trave para desviar e vencer Ter Stegen.
Ter uma equipe entre as quatro melhores da Europa é um (pequeno) prêmio de consolação para o futebol italiano, que não irá à Copa do Mundo pela primeira vez depois de 60 anos. O último título de um clube do país na Liga dos Campeões aconteceu em 2007, com o Milan.