OK
Close

NA RABEIRA DO CAPITÃO

Fogo Cruzado

09/04/2018-22:10:52 Atualizado em 09/04/2018-22:16:50
Du Amorim | A2img

Em sua primeira segunda-feira fora do governo de São Paulo e trabalhando na pré-campanha à Presidência, Geraldo Alckmin (PSDB) disse que candidaturas como a do deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) estão infladas pelo desconhecimento da população sobre as eleições de 2018. O ex-capitão do Exército está à frente do tucano em São Paulo, seu berço eleitoral. O ex-governador paulista disse que o número de candidaturas vai diminuir e campanhas como a de Bolsonaro "vão ter o seu tamanho devido".
 
NA RABEIRA II
"Hoje, pesquisa eleitoral não retrata nada sobre o ponto de vista político. A população nem começou a pensar no processo eleitoral", disse Alckmin, que registrou 11% das intenções de voto na última pesquisa Datafolha, divulgada em janeiro. No cenário sem Lula, preso no último sábado, a liderança das intenções de voto ficava com Bolsonaro, que chegava a 20%.
MAIOR APOIO
No primeiro ato oficial da pré-campanha para governador, o ex-prefeito João Doria (PSDB) recebeu nesta segunda-feira o apoio do PSD, partido que ocupará a vaga de vice na chapa do tucano. A ex-vice-prefeita Alda Marco Antônio é o nome mais cotado para assumir o posto. Entre 2009 e 2012, ela foi vice de Kassab no mandato dele na prefeitura da capital.
ACORDO SELADO
Kassab, que é o atual ministro das Comunicações, chegou a ser cotado para vice de Doria, mas não se desincompatibilizou do cargo no governo e afirmou na semana passada que continuará na gestão Michel Temer. O evento foi encerrado sem a confirmação de que os dois partidos negociaram a vaga de vice, mas, na saída, Kassab confirmou aos jornalistas que o acordo está selado.
MARINA CONTRA O FORO
A pré-candidata ao Planalto Marina Silva (Rede) disse nesta segunda-feira que, sem o fim do foro especial, a Justiça que levou o ex-presidente Lula à cadeia não tratará da mesma forma outros investigados na Lava Jato como o presidente Michel Temer (MDB) e o senador Aécio Neves (PSDB). "Se não colocarmos fim ao foro privilegiado, teremos uma situação de dois pesos e duas medidas, em que empresários que não têm foro e políticos que não têm foro pagarão corretamente por seus erros. Deputados, senadores, presidente da República e ministros ficarão tripudiando da sociedade", disse Marina, em Porto Alegre.
MARINA CONTRA O FORO II
"Ainda temos mais de 200 deputados que estão escondidos atrás do foro privilegiado. É só ver o senador Aécio Neves, o senador Renan Calheiros, o senador Romero Jucá, o presidente Michel Temer, o ministro Padilha, Moreira Franco e tantos outros", citou. A pré-candidata participa do Fórum da Liberdade, evento organizado pelo Instituto de Estudos Empresariais, que prega o liberalismo. Outros presidenciáveis, como Geraldo Alckmin (PSDB), Ciro Gomes (PDT) e João Amoedo (Novo), também estão entre os convidados.