OK

Copyright TodoDia Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização por escrito do TodoDia Online.

Close

Banco quer 450ton de alimentos

Cidades

ELIAS AREDES HORTOLÂNDIA | 01/05/2018-19:28:31 Atualizado em 01/05/2018-19:26:58
Arquivo | TODODIA Imagem
A CIDADE| Proposta é garantir comida para os 222 mil moradores

Para continuar a beneficiar pessoas situadas abaixo da linha da pobreza e que em década consumiram 3,5 mil toneladas de alimentos doados, a Prefeitura de Hortolândia anunciou que vai ampliar a extensão do programa Banco de Alimentos e chegar em 2018 a 450 toneladas de alimentos doados.
No ano passado, o município encaminhou 300 toneladas de alimentos para famílias carentes. Na média, as perdas registradas foram de 2% do total.
Para o prefeito Ângelo Perugini (PDT), a meta principal é que todos os 222 mil habitantes de Hortolândia tenham acesso às condições mínimas de segurança alimentar. "Precisamos nos lembrar de quem, ao longo desse tempo, já defendia que o povo tem o direito de comer três vezes por dia. O Brasil hoje poderia estar em outro patamar, além do básico, de considerar o ser humano como ser humano", afirmou o prefeito. "Temos lutado e tido vitórias, nestes 11 anos. Temos caminhado juntos boa parte desse tempo. Não estamos sós. O Conselho representa cada uma das entidades que busca levar um pouco da alento aos assistidos por este programa", completou o presidente do Conselho de Segurança Alimentar, Édson Efraim.
Já o secretário de Educação, Ciência e Tecnologia, Fernando Moraes, relembrou que, logo após a criação do Banco de Alimentos, foi criado também, há nove anos, o Departamento de Segurança Alimentar, na Secretaria Municipal de Inclusão e Desenvolvimento Social. Hoje, para fortalecer as políticas públicas na área, o programa e o Departamento estão vinculados à Secretaria de Educação. E existe um motivo concreto para isso. "A merenda escolar é o maior programa de segurança alimentar do município. Algumas das entidades assistidas acolhem nossos alunos da rede municipal em contra turno", destaca Moares.
CIDADANIA
Para a diretora de Segurança Alimentar, Alessandra Sarto, os programas de segurança alimentar em Hortolândia fornecem a chance até de fomentar a cidadania e a independência. "É uma política emancipatória. Temos 28 mil pessoas atingidas por formações e orientações sobre alimentação saudável. Queremos que as pessoas saiam desta condição e se emancipem. Para isso, temos alguns desafios neste ano. Ainda não temos empresas fidelizadas que façam doações regulares e ainda é pouco o número de pessoas que atingimos", complementa Alessandra.
Criado em 2007, por meio de convênio firmado com o então Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, o Banco de Alimentos de Hortolândia - programa de Segurança Alimentar ajuda famílias em situação de vulnerabilidade social a complementar as refeições básicas diárias, por meio da doação de alimentos não perecíveis, verduras, frutas e legumes, beneficiando diretamente anualmente 3.500 pessoas de diferentes faixas etárias (crianças, jovens, adultos e idosos).
O programa recebe desde os alimentos básicos na culinária brasileira, como arroz, feijão, farinha de mandioca, macarrão, açúcar, óleo, leite em pó e outros itens não-perecíveis, como também frutas, verduras, legumes, pães, desde que estejam aptos ao consumo.