OK

Copyright TodoDia Online. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização por escrito do TodoDia Online.

Close

Prefeitura de Curitiba pede transferência de Lula

Brasil e Mundo

LETÍCIA CASADO BRASÍLIA | 13/04/2018-22:34:31 Atualizado em 13/04/2018-22:30:06

A Prefeitura de Curitiba (PR) pediu nesta sexta-feira, 13, à Justiça Federal que o ex-presidente Lula seja transferido de unidade prisional, "para local seguro e adequado às circunstâncias do caso". Lula está preso na Polícia Federal desde sábado, onde cumpre pena de 12 anos e um mês de prisão. Apoiadores do ex-presidente montaram um acampamento em frente ao local.
A Justiça já havia expedido uma liminar para transferir os manifestantes da região, que é principalmente residencial. A prefeitura indicou o parque do Atuba para a realização das manifestações. Ainda assim, a militância se manteve em frente à PF. "O município de Curitiba já exauriu as providências administrativas e judiciais para o cumprimento da ordem judicial, mas não tem atribuição legal para o seu cumprimento, dependendo da Polícia Militar para tanto", diz o pedido.
Em nota, a Secretaria da Segurança Pública do Paraná afirma que mantém contato permanente com os manifestantes e que o Departamento de Inteligência do Estado do Paraná monitora as manifestações.
A juíza Carolina Lebbos, da 12ª Vara Federal, responsável pela execução da pena, tem algumas decisões para tomar além do pedido da prefeitura. Ela precisa autorizar ou não visitas para Lula, como a do presidenciável Ciro Gomes (PDT), e uma diligência da Comissão de Direitos Humanos do Senado, que pretende avaliar as condições em que o ex- presidente cumpre sua pena.
NOVO RECURSO
A defesa do ex-presidente Lula apresentou nesta sexta-feira um novo recurso contra sua prisão. A defesa entende que o TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) antecipou a prisão de Lula por ter determinado a detenção antes que fosse publicado o resultado do julgamento de um recurso e antes do prazo final para recorrer novamente. Assim, ainda seria possível apresentar novos recursos e, por isso, a prisão de Lula ainda não poderia ocorrer.