OK
Close

Ações da Marfrig disparam após empresa virar 2ª maior processadora mundial de carne

Brasil e Mundo

DANIELLE BRANT SÃO PAULO | 09/04/2018-22:12:49 Atualizado em 09/04/2018-22:08:42
FILÉ | A norte-americana National Beef, comprada pela Marfrig

As ações da Marfrig disparam nesta segunda-feira, 9, na Bolsa brasileira, após a empresa comprar 51% das ações da National Beef, quarta maior processadora de carne bovina dos Estados Unidos.
Com isso, a empresa brasileira se torna a segunda maior maior processadora de carne bovina do mundo, com um faturamento consolidado de R$ 43 bilhões. A primeira é a também brasileira JBS.
Às 13h54, as ações subiam 16,88%, para R$ 7,27.
Em relatório, analistas do BTG Pactual avaliam que a operação, à primeira vista, surpreende, considerando as metas agressivas de desalavancagem da Marfrig. A empresa busca alcançar um índice de alavancagem -uso de empréstimos para aumentar a rentabilidade- de 2,5 vezes até o fim do ano.
"A notícia aqui é que a Marfrig está abertamente falando sobre a venda total da Keystone", indica. A empresa é especializada e dedicada à produção, comercialização e distribuição de alimentos para o canal food service no Brasil.
"Claro que isso dependeria da avaliação, mas nós estimamos que a companhia resultante poderia ter uma relação dívida líquida/ebitda baixa como 1,5 a 2 vezes", indica a nota. Essa relação indica em quanto tempo a empresa conseguiria pagar suas dívidas com sua geração de caixa.
Os analistas veem como positiva a nova posição da Marfrig, considerando o negócio anunciado nesta segunda e a venda da Keystone.
"Nós teríamos um operador de proteína mais focado, com uma muito diversificada marca de carne na América do Sul e nos Estados Unidos, e com uma altamente sinérgica base de clientes", dizem.
Além disso, o compromisso de crescimento da Marfrig de manter o baixo endividamento é positivo em um setor onde a dívida majoritariamente explicou a falta de criação de valor por muitos anos.
A Marfrig pagará US$ 969 milhões (R$ 3,3 bi) pela participação e, concluída a transação, passará a ser a segunda maior processadora de carne bovina do mundo, com um faturamento consolidado de R$ 43 bilhões. A primeira é a também brasileira JBS.