OK
Close

Hospital em nossa região

Opinião

Vanderlei Macris | Deputado federal por São Paulo - 01/03/2018-22:31:35 Atualizado em 01/03/2018-22:30:51

A gestão do SUS prevê responsabilidades diferentes aos poderes. Após o atendimento primário realizado pelas prefeituras, a administração da média e alta complexidade ficam a cargo do Estado e União.
No interior de São Paulo, uma das unidades a cumprir o seu papel é o Hospital Estadual de Sumaré (HES), instituição importante e que tivemos a honra de participar do processo de instalação.
Referência na região, o Hospital Regional, administrado pela Unicamp, alcançou reconhecimentos importantes devido à qualidade do seu atendimento.
O HES foi o primeiro do interior a receber um certificado internacional de qualidade em 2012 pelo Canadian Council for Health Services Accreditation, entidade canadense. Em 2016, a certificação recebeu um upgrade através da Accreditation Canada International da metodologia Qmentum, nível diamante, que sinaliza a classificação máxima.
Esse reconhecimento avalia a excelência em segurança, qualidade na assistência médica e atendimento à saúde. No Brasil, apenas 43 hospitais possuem essa certificação.
Considerado um dos maiores hospitais da RMC, o HES conta com 260 leitos. A infraestrutura conta ainda com três anexos administrativos e uma área dedicada ao ensino e a pesquisa. Todo esse complexo hospitalar atende os municípios de Americana, Hortolândia, Monte Mor, Nova Odessa, Santa Bárbara d' Oeste e Sumaré.
Recentemente, conquistamos recursos de R$ 750 mil para a construção de um Centro de Parto Normal do HES. Junto ao reitor da Unicamp, Marcelo Knobel, e o diretor-superintendente do HES, prof. Dr. Luiz Roberto Lopes, assinamos convênio de R$ 550 mil e uma segunda emenda de R$ 200 mil segue o trâmite para liberação.
Todo mundo sabe os riscos que envolvem uma cesariana. A Organização Mundial da Saúde (OMS), inclusive, aponta que a taxa de partos por meio da cirurgia deve ser exclusivamente em casos necessidade médica e não ultrapasse 15% dos nascimentos. No Brasil, esse número chega a 50%.
Esse investimento vem justamente ao encontro dessa indicação e irá permitir a humanização e o local adequado para realização de partos naturais com menos riscos às mães e aos bebês das nossas cidades. A expectativa é da realização de 150 a 180 partos ao mês.
Como representantes da região, é uma satisfação prestar contas desse investimento que permite à saúde regional avançar novos passos, rumo ao melhor atendimento à população.