OK
Close

Desafios que o crescimento traz

Cidades

ELIAS AREDES SUMARÉ | 10/03/2018-20:58:18 Atualizado em 10/03/2018-20:57:58
Arquivo
GENTE | Crescimento populacional: desafio para os governos

Com mandatos programados até dezembro de 2020, os prefeitos de Sumaré, Luiz Dalben (PPS), de Hortolândia, Ângelo Perugini (PDT) e Dixon Carvalho (PP), de Paulínia, têm o desafio de prepararem suas cidades para o crescimento populacional. De acordo com projeções da Fundação Seade (Sistema de Análise de Dados do Estado de São Paulo), mais de 19.806 pessoas serão incluídas nos três municípios até 2020, o que é maior do que a população de Engenheiro Coelho, com 19.497, segundo levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).
O crescimento dos três integrantes da RMC no periodo será maior do que a própria cidade de Campinas, que em dois anos receberá o acréscimo de 16.557 pessoas até o ano da próxima eleição municipal e chegará a 1.175.501 habitantes.
O município com maior inclusão de habitantes será Sumaré. De acordo com a Fundação Seade, já em julho deste ano Sumaré terá 275.147 habitantes residentes em seus 92.053 domicílios.
Daqui a dois anos, a projeção é que 8.065 habitantes estejam incluídos nas estatísticas, o que fará com que a população chegue a 283.212 habitantes, dos quais 3.334 estarão na zona rural. O número total de domicílios de Sumaré então será de 97.412.
O crescimento de Hortolândia não será desprezível. Em primeiro de julho deste ano, a cidade terá 222.649 habitantes em 70.992 domicílios. Já em 2020, o prefeito Ângelo Perugini estará no comando de uma cidade com 230.268 pessoas em 75188 domicílios.
Conhecida por sua força no parque industrial petroquímico, a crise política em Paulinia, por sua vez será insuficiente para deter o avanço populacional. Além de administrar acusações de irregularidades oriundas da Câmara Municipal, o prefeito Dixon Carvalho (PP) já no inicio do segundo semestre terá que suprir as demandas de 100.822 habitantes presentes em 32.389 domicílios. Daqui a dois anos, o contingente chegará a 105.070 habitantes em 34.355 domicílios. Ou seja, um acréscimo de 4.122 pessoas.
A Prefeitura de Sumaré informou na sexta-feira que adotou uma série de ações preventivas para a absorção dos novos habitantes que o município receberá até a próxima eleição municipal, marcada para 2020.
MOBILIDADE
No capítulo da mobilidade urbana, a cidade realizou obras e implantou um conjunto de ações e projetos de educação e prevenção de acidentes. Um dos principais projetos é a Ponte Estaiada que ligará as regiões Leste e Oeste da Cidade e facilitará o acesso à Rodovia SP-101; e o viaduto sobre a linha férrea, na região central, uma parceria da Administração com a Concessionária Rumo.
Quanto ao saneamento, a prioridade é chegar neste ano a 100% na coleta e tratamento de esgoto. Com o crescimento no número de domicílios, a decisão foi de entregar mais 500 unidades habitacionais e alcançar duas mil unidades até 2020.Também já foram aprovados os projetos de cerca de 4.000 unidades e loteamentos residenciais privados e mais 5.590 unidades estão com os projetos de aprovação em andamento, tudo conforme a legislação local vigente.
Na saúde, a Prefeitura foca em uma intervenção estrutural no prédio do Hospital Estadual, além de medidas para ampliar a capacidade de consultas.