OK
Close

As mulheres chefes de família

Empregos

JOANA CUNHASÃO PAULO | 10/03/2018-17:25:07 Atualizado em 10/03/2018-18:26:50
Reprodução | Pixabay
CONQUISTAS | As mulheres conquistaram espaços, se tornaram chefes de família, mas as diferenças com os homens continuam, como nos salários e serviços domésticos

O avanço feminino no mercado de trabalho veio acompanhado de uma explosão na quantidade de famílias chefiadas por mulheres no Brasil neste século.
De 2001 a 2015, o número de núcleos comandadas por mulheres subiu de 14,1 milhões para 28,9 milhões, conforme estudo coordenado pela Escola Nacional de Seguros com base na antiga pesquisa Pnad, do IBGE.
O salto não reflete só o aumento da gravidez na adolescência, que pode resultar em abandono dos estudos pelas mães solteiras e na "feminização da pobreza", segundo o demógrafo José Eustáquio Alves, um dos responsáveis pelo estudo.
A novidade, diz Alves, é que esse fenômeno se acentuou nas famílias de núcleo duplo, ou seja, de casais com e sem filhos. No período, o número de mulheres chefes passou de 1 milhão para 6,8 milhões nos casais com filhos. Nos casais sem filhos, foi de 339 mil famílias para 3,1 milhões.
Para Maria Helena Monteiro, diretora da Escola Nacional de Seguros, o papel da mulher passa por uma "revolução" tanto no trabalho quanto na vida familiar, mas ainda há disparidades.
DISPARIDADES
"A mulher ultrapassou o homem em todos os níveis educacionais, elevou a participação no mercado de trabalho, reduziu diferenças salariais. Mas há enorme disparidade no tempo dedicado a afazeres domésticos e cuidados com filhos e idosos. Ela ainda carrega a maior responsabilidade nisso, o que sobrecarrega e limita, em muitos casos a ascensão profissional", diz Monteiro.
Estudo divulgado pelo IBGE neste mês com base na pesquisa nacional Pnad Contínua, aponta que as mulheres dedicaram 73% a mais de horas a cuidados de pessoas ou afazeres domésticos do que homens em 2016. Foram 18,1 horas semanais para as mulheres e 10,5 horas para os homens. A desigualdade é maior no Nordeste, onde a dedicação das mulheres a tais atividades é 80% superior à dos homens. A comparação também se agrava no recorte por raça e idade.
JORNADAS FLEXÍVEIS
Com mais tempo investido nos cuidados da casa e de familiares, é comum buscar jornadas de trabalho mais flexíveis. "Mulheres que necessitam conciliar trabalho remunerado com afazeres domésticos e cuidados, em muitos casos, acabam por trabalhar em ocupações com carga horária reduzida", diz o IBGE.
A proporção das que trabalham em período parcial, de até 30 horas, é de 28,2%. Em relação aos rendimentos médios do trabalho, mulheres recebem cerca de 3/4 do que os homens ganham.