OK
Close

Plano busca reduzir acidentes

Cidades

ELIAS AREDES HORTOLÂNDIA | 10/02/2018-21:21:25 Atualizado em 10/02/2018-21:17:55
ALTO CUSTO | Além de vidas ou sequelas, acidentes custam caro aos cofres públicos na rede de saúde

A Prefeitura de Hortolândia quer reduzir em 20% o número de acidentes de trânsito e vai investir em mais controles eletrônicos e educação. Os acidentes no município custam à rede pública de saúde cerca de R$ 317 mil ao ano, segundo dados do Sistema Único de Saúde (SUS).
Por meio da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana, a prefeitura lançou um "pacotão" para o trânsito. Ao abordar o projeto, na segunda-feira, 5, a secretaria divulgou relatório que mostra que foram registrados 223 feridos e 26 mortes nas ruas da cidade em 1.265 ocorrências no ano passado.
O primeiro passo para diminuição dos acidente será a instalação de 20 radares pelas ruas da cidade, embora os locais ainda não foram divulgados.
De acordo com o secretário de Mobilidade Urbana, Atílio Pereira, os reflexos das medidas no trânsito serão sentidos na parte financeira. Cada paciente, segundo estatísticas levantadas pela prefeitura, custa R$ 2 mil aos cofres públicos. Pelo protocolo estabelecido, o serviço Médico de Atendimento de Urgência (Samu) faz os primeiros socorros e transfere os feridos para uma Unidade de Pronto-Atendimento 24h (UPA) ou o Hospital Municipal Mário Covas, quando o caso é de maior gravidade e exige cuidados mais especializados.
Segundo dados do SUS, o município gasta cerca de R$ 317 mil por ano com os atendimentos relacionados aos acidentes de trânsito. "Os acidentes de trânsito trazem um impacto negativo para a rede pública de saúde", afirma o prefeito Angelo Perugini (PDT), que pretende com o plano direcionar a verba economizada no atendimento e tratamento de doenças. "Precisamos reduzir o número de acidentes na nossa cidade pensando em proteger a vida das pessoas e garantir eficiência no atendimento de saúde para quem precisa de tratamento de doenças".
Em uma ação conjunta, a Secretaria Municipal de Saúde vai participar do esforço conjunto para diminuir as ocorrências dentro do município e automaticamente aliviar os cofres públicos. "As vítimas de acidentes de trânsito, além de impactar a rede de saúde com a necessidade de mobilização de equipes de socorro, trazem prejuízos à saúde do cidadão, pois muitos acidentados ficam com sequelas. As ações para redução de acidentes de trânsito são importantes para promover a saúde da população", disse o secretário de Saúde, Lourenço Daniel Zanardi. As vítimas mais comuns são jovens entre 18 e 24 anos, e 30 e 34 anos, aponta levantamento da Polícia Militar.