OK
Close

Para dar voz a quem não tem

Cidades

CRISTIAN EDUARDO BARBOSA americana | 10/02/2018-21:21:18 Atualizado em 10/02/2018-21:17:40
'EPIDEMIA' | Depressão e suicídio entre jovens assustam especialistas e motivam projeto de ajuda

Um tema tão delicado quanto atual, a depressão e o suicídio entre adolescentes e jovens, está no centro de um debate que já chegou na Câmara de Americana, nas últimas semanas. O missionário Lucas Miguel de Almeida, 40 anos, tem exposto às autoridades e aos parlamentares a preocupação com a atitude extrema de tirar a vida, impulsionada por outra doença que já é tratada praticamente como epidemia mundial, a depressão. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a depressão é maior causa de incapacitação e não para de crescer em todo o mundo - segundo dados mais recentes da entidade de 2017, são 322 milhões de vítimas no mundo todo e, no Brasil, 11,5 milhões, o que representa cerca de 6% da população.
Entre jovens a partir de 15 anos e até 29 anos, a preocupação é atual, com taxas crescentes. Segundo dados do Mapa da Violência de 2017, desde os anos de 1980, os sucídios nessa faixa aumentaram em 27,2% - e 60% quando estende para todo o conjunto dos brasileiros. Com a internet, jogos como o Baleia Azul e incentivos à tristeza tornam a situação ainda mais preocupante.
Para enfrentar a situação, Lucas Miguel, juntamente com um grupo de voluntários começam a atuar na cidade com o Projeto Trust, que tem com objetivo dar voz a quem tem sofrido com a depressão e o isolamento e, por meio de plataformas digitais, revelar exemplos de desfechos felizes, tentando assim evitar que as estatísticas de suicídio aumentem.
O projeto vai trabalhar com perfis no Facebook e Instagram e uma linha de WhatsApp com atendimento sigiloso. A intenção é divulgar na sociedade, com foco principal em escolas, para alcançar adolescentes e jovens com idades entre 12 e 25 anos. "Nós entendemos que é uma faixa etária que, pelos índices, temos visto que tem tido dificuldades na área emocional", diz.
Lucas explicou que o grupo que encabeça o Trust faz parte de uma plataforma de ações comunitárias com atuação em todo o Brasil. Esse grupo acompanha pesquisas mundiais relacionadas a suicídios e decidiu acelerar o processo e colocar a plataforma em atividade o quanto antes na cidade em função da ocorrência, segundo ele, de quatro casos de jovens que tiraram a própria vida no mês de janeiro de 2018.
"Queremos dar uma oportunidade de eles, no mínimo, serem ouvidos. Percebemos em contato com as famílias que perderam entes queridos que eles começam a dar sinais que farão isso, dizendo que não são queridos, não são aceitos, não são inseridos em algum contexto da sociedade", relata. "Se conseguirmos divulgar esse canal e eles sentirem o mínimo de segurança para serem ouvidos, nós teremos nosso objetivo realizado", diz, citando o caso de uma modelo de 24 anos que vai auxiliar o projeto revelando como conseguiu vencer.
Há duas semanas, também na Câmara, a depressão de adolescentes, que os especialistas consideram que já é epidêmica entre os jovens, recebeu um apoio importante dos vereadores. Eles aprovaram, já em segunda discussão, o projeto de lei da vereadora Maria Giovana Fortunato (PCdoB) que institui a "Semana de Conscientização sobre Depressão na Infância e Adolescência".
Na justificativa para sua iniciativa, a parlamentar citou as dificuldades de diagnóstico da doença entre as crianças, uma vez que os pequenos acabam interpretando aquele sentimento como algo natural.
A semana especial dedicada ao tema teria como função a de despertar a atenção da população de um modo geral para os sintomas da doença e, ao mesmo tempo, instruir pais, amigos e familiares sobre como agir. A campanha deve trabalhar principalmente com palestras e a distribuição de panfletos e atuar diretamente nas escolas do município, onde está o foco principal do projeto.