OK
Close

Como transformar a alimentação fora em um bom negócio

Clube Gourmet

Texto | Jucimara Lima Fotos | Divulgação | 02/03/2018-22:38:46 Atualizado em 02/03/2018-23:03:48

Com a correria do dia a dia conseguir fazer todas as alimentações em casa é luxo para poucos. E ao invés de encarar esse ponto como algo negativo para se manter em forma, ou mesmo saudável, pense que ele pode ser um bom aliado, se levar em consideração que nessa situação a possibilidade de experimentar novos alimentos e conhecer novos sabores, é muito maior, afinal, é possível encontrar uma ampla variedade, que não necessariamente estariam disponíveis na sua casa todos os dias. O Clube Gourmet bateu um papo com a nutricionista Natália Vilela Silva Daniel, da Clínica Vitalità - Saúde e Bem-estar, que é mestre em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de São Paulo e nos deu várias dicas, para comer fora de casa sem culpa, nem medo de ser feliz. Acompanhe!
Sinal Vermelho
"Uma armadilha do prato feito ou da marmita encomendada fora de casa pode ser a quantidade dos alimentos. Muitas vezes o que recebemos é mais que o que estamos habituados a comer ou o que gostaríamos de consumir naquele momento, portanto reconheça a "cilada" e saiba respeitar sua saciedade", aconselha Natália.
Palavra de Especialista
Quando a opção for prato feito, prefira um local que forneça opções de pratos que acompanhem alguma hortaliça (verdura ou legume). Esses alimentos, além de ricos em vitaminas e minerais, podem fornecer também uma interessante quantidade de fibras, aumentando sua saciedade.
Outra dica é escolher opções de pratos que incluam carnes (de vaca, frango, porco, peixe ou outros) que não sejam fritas; prefira as assadas, grelhadas ou refogadas.
Mastigar bem os alimentos e comer devagar pode nos ajudar a reconhecer esse sinal de saciedade que o nosso organismo nos dá. Caso não dê para guardar os alimentos para consumir em uma próxima refeição, dividir o prato feito "generoso" ou a marmita grande com um colega de trabalho pode ser uma boa opção!
Imagem Anterior
Imagem Próximo
1/1
De olho na higiene
Um cuidado muito importante que deve ser tomado ao se alimentar fora de casa é relacionado à higiene. "Tenha cuidado e evite locais que você percebe que os banheiros têm acesso direto com a cozinha. Animais circulando, onde os manipuladores de alimentos não usam os equipamentos necessários como toca e luva". Refrigeração e armazenamento dos alimentos também devem ser adequados, então o ideal é sempre procurar restaurantes ou estabelecimentos que forneçam refeições que garantam os cuidados higiênico-sanitários.
Imagem Anterior
Imagem Próximo
1/1
Tá liberado, tá tudo liberado!
Aproveite a maior disponibilidade e variedade de alimentos que você pode encontrar ao comer fora de casa e deixe sua alimentação menos monótona. Abuse das verduras e legumes e aproveite as opções de alimentos integrais que podem ser oferecidas.
Imagem Anterior
Imagem Próximo
1/1
Se policie!
Bruna Chacur, gastrônoma do Fogão a Lenha Gourmet de Americana , também nos passou algumas dicas para manter a linha fora de casa. Para ela o segredo para se alimende forma leve e gostosa é a moderação. "Se policie. Tanto na opção a la carte quanto self-service, tente estabelecer uma refeição que tenha bastante legumes e verduras uma fonte generosa de proteína (frango, peixe, carne) e uma pequena porção de carboidrato (batata, arroz). Tendo essa base em mente, planeje como será o seu prato do dia. Isso ajuda a não cair na tentação de pegar várias coisas e montar aquele prato enorme" , pontua ela.
Imagem Anterior
Imagem Próximo
1/1
Na dúvida, leve de casa!
A marmita levada de casa é uma opção mais segura quando pensamos na alimentação feita "na rua". Ao consumi-la, você sabe em quais condições esses alimentos foram preparados (de higiene) e armazenados, evita possíveis deslizes com alimentos que você geralmente tem uma "fraqueza" (ao encontrar frituras ou doces nos restaurantes, por exemplo), e também consegue controlar a quantidade do que será ingerido. Para as pessoas que estão tentando reduzir os alimentos consumidos para um possível controle de peso, por exemplo, levar as porções já orientadas por um profissional ou ajustadas por elas é uma interessante estratégia para que deslizes não sejam cometidos, pontua a nutricionista.
Imagem Anterior
Imagem Próximo
1/1