OK
Close

Aumento no IPTU é aprovado

Cidades

JOÃO CONRADO KNEIPP PEDRO HEIDERICH AMERICANA | 11/10/2017-23:55:48 Atualizado em 12/10/2017-00:15:53
Claudeci Junior | TODODIA Imagem
REZENDE | Aumento de 475% ocorrerá na Asta, apontou vereador

A Câmara de Americana aprovou, na sessão de ontem, em primeira discussão, o projeto de lei que aplica um aumento nos valores do metro quadrado para o cálculo do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) do ano que vem. Antes da aprovação no Legislativo, os secretários de Fazenda, Ricardo Lopes Fernandes, e de Planejamento, Claudio Amarante, detalharam o projeto em uma coletiva de imprensa na prefeitura. Segundo eles, o aumento no valor final do imposto pode chegar a 60% em caso de apartamentos de alto padrão. O Executivo ainda confirmou um reajuste de 475% no valor do metro quadrado para a região da Asta, devido a uma reclassificação da área.
Na proposta 127/2017, de autoria do governo Omar Najar (PMDB), o preço do metro quadrado de área construída subirá 20% para as construções de baixo padrão, 25% para as construções de médio padrão e 30% para as de alto padrão. O aumento nas porcentagens independerá do tipo de construção (residencial, comercial ou industrial).
"Estamos atualizando área construída e não área de terreno, para corrigir distorções e detalhes técnicos", explicou Fernandes. Além desses aumentos, também será computado no cálculo final do IPTU o reajuste da inflação, de 4,5%, e uma mudança na alíquota dos condomínios verticais, que passará de 0,5% para 0,65%.
Foram dez votos favoráveis, sete contrários e uma ausência, do vereador Marschelo Meche (PSDB). Foram contra o aumento os vereadores Clemente Alves dos Santos Neto, o Léo da Padaria (PCdoB), Maria Giovana (PCdoB), Odir Demarchi (PR), Sérgio Fioravante Alvarez, o Professor Padre Sérgio (PT), Thiago Martins (PV), Vagner Malheiros (PDT) e Wellington Rezende (PRP).
Este último criticou o aumento e afirmou que constatou junto ao seu gabinete que uma área terá aumento de até 475%. "É na Asta, um bairro localizado atrás do Hospital Seara. Era definido como gleba, e reclassificaram a área na Planta de Valores, que eles disseram que não seria mexida neste ano. Passaram de número oito para 20", afirmou Wellington.
A assessoria de imprensa da prefeitura afirmou que o aumento citado por Wellington acontecerá devido à reclassificação da área. "Era uma gleba e virou loteamento, mudou a definição de um bairro que deixou de ser uma coisa e passou a ser outra. E agora está sendo taxado adequadamente", explicou.