OK
Close

'Uma cidade organizada, sem dívida, bem vista'

Holambra 26 anos

ANDRÉ ROSSI HOLAMBRA | 17/10/2017-22:37:21 Atualizado em 27/10/2017-00:53:43
Claudeci Junior | TODODIA Imagem
DR. FERNANDO | Após reestruturar a Saúde, foco agora é a Educação

Em seu segundo mandato à frente da Prefeitura de Holambra, o prefeito Fernando Fiori de Godoy, o Dr. Fernando (PTB), tem como maior preocupação o futuro da cidade. Em seu gabinete, uma longa lousa branca fixada na parede elenca as obras concluídas, as que estão em andamento e as que ainda não saíram do papel.
Com orçamento limitado, o chefe do Executivo trabalhou nos últimos cinco anos para angariar recursos estaduais e federais para "turbinar" os investimentos na cidade. Agora, com a cidade reestruturada, Dr. Fernando foca em "segmentar" o futuro e garantir que a cidade não saia dos trilhos nos próximos anos.
TODODIA - Em 2015, a dívida herdada pela sua administração era de R$ 25 milhões. Até agosto daquele ano, R$ 8,5 milhões tinham sido pagos. O planejamento era pagar mais R$ 10 milhões até 2019. Esse cronograma permanece?
A gente vem pagando a dívida. Não era só a dívida financeira, era toda a reconstrução, manutenção do que foi deixado de fazer. Apesar da crise, temos mantido esse cronograma de manutenções, não paramos, e ainda estamos saldando a dívida. A ideia é, em 2019, começar um ano praticamente zerado, a não ser as dívidas de longo prazo. Trabalhamos com a lógica de em pelo menos dois anos a prefeitura trabalhar sem tantas dificuldades. Aqui (Holambra) houve a somatória da dívida que nós herdamos e do Brasil indo para o fundo do poço. A gente quer fazer essa junção, de sanar a dívida e pegar o Brasil crescendo, que a gente possa passar pelo menos dois anos com uma perspectiva de encerrar o ano sem ficar no vermelho. Não somos só nós, é grande parte dos municípios. (...) O cronograma continua o mesmo.
Em 2013, houve a liberação do projeto de desassoreamento das duas lagoas da cidade através do FID (Fundo de Interesses Difusos), no valor de R$ 4,8 milhões. Como está o projeto? Já começou a ser executado?
Nós concluímos o desassoreamento do Lago do Holandês. Agora, está em fase final, dentro do mesmo projeto, a reforma dos chalés (do local) e aí conclui esse projeto inicial. E já estamos trabalhando na licitação da nossa Prainha (lagoa), desassoreamento e revitalização da área. Hoje, o Lago do Holandês atende toda a cidade. Foi a primeira cidade da RMC a conseguir esse recurso (do FID), e pensando naquele momento de crise hídrica que estávamos passando, para aumentar a reserva para a cidade.
Em 2015, a expectativa era que a ETE tratasse com efetividade 95% do esgoto coletado na cidade; na época era 80%. Esse percentual foi atingido?
Nós estamos com 100% do esgoto da área urbana sendo tratado. Estamos ampliando, construindo mais uma rede para levar o esgoto, e já estamos iniciando, como prevê o TAC que fizemos com a promotoria, um novo emissário para o Rio Camanducaia. Era um pedido do primeiro TAC de 1997, que não tinha sido cumprido, e estamos cumprindo, pois é pedido da Cestesb. O tratamento é feito, mas cai num córrego que não comporta, então era necessário fazer esse emissário até o Camanducaia. (...) E demos um passo além. Começamos a fazer o esgoto na área rural. Inauguramos a primeira estação de tratamento de esgoto no bairro das Palmeiras no mês passado, atendendo 400 pessoas, creche, escola e as casas ao entorno. Estamos construindo mais 170 fossas individuais na área rural e estamos finalizando o plano integral de saneamento rural, que prevê até 2022 que Holambra será uma das primeiras cidades do Brasil que vai ter 100% de esgoto tratado na área rural. Todo esse trabalho que temos feito junto ao governo do Estado, ANA, PCJ e o próprio Gaema, são vários parceiros para apresentar esse projeto e buscar recursos para em 2020, quando estiver saindo, 80%, 90% já feito e próximo prefeito pode concluir até 2022 o 100% da cidade urbana e rural tratada.
Na área de segurança, além do aumento no número de guardas, há outras melhorias? O sistema de videomonitoramento está operando?
Em trabalho conjunto com a Agemcamp (Agência Metropolitana de Campinas), nós implantamos o sistema de videomonitoramento. Por sugestão minha, quando fiquei na presidência da Região Metropolitana, agregamos ao projeto um software e rádio digital. Tudo isso veio melhorando o projeto inicial, que era só videomonitoramento, que já está funcionando 100% há um ano. (...) E vamos dar um passo maior a partir do ano que vem, colocando drones a serviço da guarda. (...) Também seremos uma das primeiras cidades do Estado a ter bombeiro civil. É uma lei nova, que está aguardando o governador assinar, onde foi construído com bombeiros da região e o comando de São Paulo uma normativa nova para os bombeiros que possam estar tendo esse compartilhamento com a prefeitura e a sociedade civil. Guardas fizeram cursos com os bombeiros, a população já está fazendo curso, vai ter um curso com bombeiro também, onde o governo entra com equipamento, caminhão que já está previsto, entramos com os guardas treinados, e plantão 24 horas para já dar o primeiro suporte enquanto não chega o bombeiro de Mogi Guaçu ou Campinas. (...) Estamos esperando o governador assinar. Assinando já podemos colocar no trabalho de 2018.
Havia a ideia de inserir a disciplina de Turismo na grade curricular das escolas. Isso ocorreu? Qual o principal objetivo?
Às vezes a população vê a cidade cheia, trânsito, atrapalha a vida das pessoas (moradores), muda a rotina. Essa ideia da disciplina do Turismo é para que a gente construa uma mentalidade com as crianças, e elas passem para os pais, que o Turismo é uma fonte geradora de emprego, renda, e isso pode melhorar a vida, aumentar o ganho de quem vive aqui. É um desafio, nós estamos engatinhando. Têm cidades em outros Estados muito avançados, como Gramado, que colocou Turismo na grade em 1976, já tiveram a visão, e já estão bem encaminhados com a população, que atua, ganha. (...) A disciplina está na grade curricular do Ensino Fundamental 1 e 2, abordando Turismo e a cultura holandesa, que temos que preservar. A cidade é diferente por conta da colonização holandesa, e não pode perder esse viés.
Quais os principais objetivos a médio e longo prazo?
Estamos construindo uma UBS (Unidade Básica de Saúde) junto ao governo do Estado de São Paulo, no bairro do Groot, e vamos reformar e ampliar uma rural. A Saúde nós praticamente zeramos as obras de construção, ficou bem estruturada. Agora, próximo passo é trabalhar muito na Educação. Entregamos uma creche logo no primeiro ano (de mandato), que estava abandonada. Aumentamos em 70% número de vagas em creche, quase dobramos. Agora vamos entregar uma nova creche no início de 2018 para zerar novamente a fila da creche. Vamos começar reformas mais profundas nas escolas no ano que vem. Teremos mais uma escola no Imigrantes, que hoje é bairro mais populoso do município, vamos brigar junto ao governo federal para construir essa escola. O plano, o projeto e o compromisso que temos nesta gestão aqui é dar um enfoque maior para Educação. Lógico, trabalhando em todas as áreas também. Conseguimos conquistar o sonho de ter a primeira Faculdade das Flores do Brasil, que começou com 50 alunos. Já temos uma reunião marcada onde vamos ter de três a quatro cursos novos, Turismo, Gastronomia, e áreas ligadas ao agronegócio, já para 2018 com a FAJ (Faculdade de Jaguariúna). Vamos tematizar as praças e espaços públicos, como o Lago do Holandês, que será tematizado com obras do Van Gogh.
Em 2015, o clima era de que a cidade estava pronta para crescer. Hoje, é possível afirmar que a cidade, de fato, está crescendo?
Nós fizemos um plano de saneamento e saneamento rural, plano de resíduos sólidos, estamos finalizando plano de turismo, de mobilidade, e estamos finalizando a revisão do plano diretor, que aí vai fazer o fechamento geral para a gente falar "olha, Holambra agora está pronta para crescer de forma ordenada'" Isso acontece até o meio do ano que vem. Estamos crescendo muito, agora é crescer de uma maneira ordenada para não se perder no meio do caminho, para que não venha um prefeito que não tenha essa visão e bagunce tudo. Deixar as regras claras e a prefeitura sem dívidas. Esse é o compromisso, é isso que vamos deixar para o próximo prefeito. Uma cidade organizada, sem dívida, bem vista. Esse é o meu sonho.