OK
Close

Locomotiva e café fizeram coronel investir na cidade

Jaguariúna 63 anos

PEDRO HEIDERICH JAGUARIÚNA | 11/09/2017-23:08:20 Atualizado em 11/09/2017-23:28:11
Claudeci Junior | TODODIA Imagem
LOCOMOTIVA | Chegada da Maria Fumaça motivou coronel a investir na região

A locomotiva Maria Fumaça e as plantações de café na região, aliadas à morte de seu pai, fizeram o coronel Amâncio Bueno largar a medicina na França para cuidar da fazenda da família e fundar Jaguariúna. Segundo relato de Thomáz de Aquino Pires, diretor da Casa da Memória do município, Bueno viu uma oportunidade de progresso na região mogiana.
O início da história de Jaguariúna data de 1894, quando o coronel funda a Vila Bueno, ainda dentro de Mogi Mirim, que dois anos depois se torna o Distrito de Paz de Jaguari. Mas há registros mais antigos ainda. "Historiadores já encontraram documentos que mostram que o local já apresentava existência anterior, nos registros da Igreja de São José, em Mogi Mirim, há documentos que acusam batizados desta região de 1795, cem anos a mais", aponta Pires.
Segundo o historiador, Bueno percebeu a força do café na região e a chegada da locomotiva Maria Fumaça e o movimento nas estradas e da estação ferroviária Mogiana para fundar a Vila Bueno. "Pressentiu que seria um local de progresso de futuro e constrói os onze primeiros casarões do local. Depois a Igreja de Santa Maria, com traços de estilo gótico e do barroco".
Republicano e amigo de Floriano Peixoto, Bueno utilizou do prestígio político para, dois anos depois, transformar a vila em distrito de Mogi Mirim. "Ele canaliza água da fazenda de seu pai, a Florianópolis, que teve o nome em homenagem a Floriano, e doa nascente da fazenda à Mogi Mirim. Depois consegue escolas e iluminação pública, inaugurando tudo em 1902".
No mesmo ano, o coronel inaugura uma serraria a vapor. Bueno morre em 1914. Trinta e um anos depois, em período que chegam imigrantes portugueses e espanhóis e escravos libertos na região, o distrito muda de nome para Distrito de Paz de Jaguariúna.
EMANCIPAÇÃO
Sete anos depois, em 1952, conforme Pires, têm início as primeiras reuniões cogitando que o distrito se emancipe de Mogi Mirim. "Era difícil cuidar de todo o município, um território grande. Com isso, conseguimos a emancipação, no dia 30 de dezembro de 1953. No ano seguinte acontecem as primeiras eleições de Jaguariúna".
Joaquim Pires Sobrinho toma posse em 1955 como o primeiro prefeito do município. "Como a data não era boa para ser o aniversário da cidade e como também tinha cinco de agosto como data da fundação da Vila Bueno, prefeitura e Câmara resolvem conciliar e juntar tudo na data 12 de setembro, por conta do aniversário da padroeira da cidade, a Santa Maria".