OK
Close

Joesley afirma que tem áudios fora do País

Brasil e Mundo

folhapress são paulo | 11/09/2017-23:24:02 Atualizado em 11/09/2017-23:19:53
Arquivo | TODODIA Imagem
JOESLEY | Disse que há relatos de crimes de "terceiros"

O empresário e delator Joesley Batista, da J&F, dona da JBS, disse em depoimento ao Ministério Público Federal que possui mais gravações feitas com diferentes pessoas, incluindo uma conversa com o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo (PT-SP) e que "pode entregar" todas as gravações.
A declaração está em depoimento realizado na última quinta. O termo de declarações foi tornado público ontem.
Os áudios, segundo Joesley, estão "fora do Brasil", mas ele não foi questionado pelos procuradores sobre onde está esse material e como ele teria sido enviado para o exterior.
De modo enigmático, Joesley disse também possuir "áudio com relatos de crimes de terceiros interlocutores, sem a participação do depoente". Os procuradores não indagaram como Joesley teria tido acesso ou teria feito essas gravações de conversas em que não estava presente.
Segundo Joesley, ele avaliou as gravações que conteriam ou não suposto indício de crime e entregou o que julgou necessário à PGR (Procuradoria-Geral da República) para formar seu acordo de delação.
"Há outras gravações em posse do depoente [Joesley], não entregues, por exemplo, a de Cardozo. Esse material hoje está fora do Brasil até porque apenas o depoente manuseia isso. Gravou até encontros com amigos, e por isso não sabe a quantidade de áudios que tem. A avaliação sobre os áudios serem ou não prova de crime foi apenas do depoente", disse Joesley, segundo o termo de depoimento. Joesley acrescentou uma informação que não constava de suas declarações anteriores no acordo de delação premiada.
Ele disse que o escritório de advocacia de Marco Aurélio Carvalho, que seria um profissional próximo do ex-ministro Cardozo, "emitia mensalmente notas de R$ 70 mil ou R$ 80 mil para contratos fictícios e parte desse dinheiro iria, segundo Marco Aurélio, para José Eduardo Cardozo; o contrato fictício era para manter boa relação com Cardozo. Marco Aurélio dizia que o dinheiro chegava a José Eduardo Cardozo e este tratava muito bem o depoente, mas nunca perguntou se o dinheiro chegava".
Cardozo afirmou que os pagamentos da J&F ao seu atual sócio, Marco Aurélio Carvalho, se referiam a outro escritório de advocacia, distinto do atual que os dois integram hoje, com composição societária completamente diversa. Somente em 2017, segundo Cardozo, ele se tornou sócio de Carvalho. Ele disse que Joesley não tem credibilidade.