OK
Close

Obra de ETE receberá R$ 28,6 mi

Cidades

JOÃO CONRADO KNEIPP AMERICANA | 28/08/2017-23:06:40 Atualizado em 28/08/2017-23:03:11
Divulgação
ROGER, VANDERLEI E OMAR | Prefeito explicou que, hoje, o Executivo paga para tratar parte do esgoto

A obra da ETE (Estação de Tratamento de Esgoto) da Balsa, em Americana, receberá um investimento de R$ 28,6 milhões para que as atividades no canteiro sejam retomadas. A previsão é que a estação de tratamento de esgoto, com a construção parada há um ano, atenda cerca de 40 mil habitantes da região da Balsa assim que concluída.
O anúncio do desbloqueio do investimento foi feito ontem, pelo deputado federal Vanderlei Macris (PSDB), em coletiva em seu escritório, acompanhado do prefeito Omar Najar (PMDB), do superintendente do DAE (Departamento de Água e Esgoto) de Americana, Leandro Tresoldi, e do secretário de Planejamento de Americana, Walter Veneciano.
Também estiveram presentes o presidente da Câmara de Americana, vereador Alfredo Ondas (PMDB), além dos parlamentares Rafael Macris (PSDB), Thiago Brochi (PMDB) e Marschelo Meche (PSDB), e de Roger Willians (PSDB), vice-prefeito licenciado e chefe de gabinete de Cauê Macris (PSDB) na presidência da Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo).
Do total, R$ 26,2 milhões virão do governo federal, a fundo perdido, e haverá uma contrapartida de R$ 2,4 milhões do Executivo de Americana. Macris ressaltou a dificuldade na negociação com o ministro das Cidades, Bruno Araújo, para liberação do montante. "É um momento em que os recursos estão sendo liberados cada vez menos. (...) Tivemos uma atuação intensa para Americana não perdesse esses investimentos".
A construtora Elevação Ltda já está autorizada a retomar as obras, segundo o Executivo, que prevê que a ETE seja concluída até 2020. A obra teve o processo licitatório iniciado em 2012, começou a ser executada em 2015, mas ficou parada desde então por dificuldades no orçamento.
Em termos técnicos, a ETE da Balsa vai tratar os resíduos de 40 mil habitantes. "Terá a capacidade de tratar 90 litros de esgoto por segundo. Para o DAE, é uma satisfação muito grande porque, há um ano, não vislumbrávamos esse recurso", afirmou Tresoldi. Omar destacou a economia que será proporcionada. "Hoje, o município paga R$ 84 mil por mês para o DAE de Santa Bárbara (d'Oeste) para tratar esgoto daquela área", explicou.