OK
Close

Quadros mudam visual de casa

TODODIA Express

Claudete CamposREGIÃO | 28/07/2017-22:00:58 Atualizado em 29/07/2017-00:01:32

Quer mudar o visual de sua casa e não sabe como? Não quer gastar uma fortuna com a repaginada? Um dos recursos é investir em quadros. Aquela parede apagada pode ganhar vida com as composições. Diante de tantas opções no mercado, o ideal é avaliar o espaço onde vai for colocar as molduras.
Para ajudar na escolha, a gerente de produtos da Moldura Minuto, Priscila Costa, auxilia na decisão. Não existe uma tendência nesta área, explicou. “A composição de quadros fornece uma liberdade para a decoração. Onde o morador pode explorar as mais diferentes combinações. Mas o que tem se visto com frequência nas paredes são as apostas nas diferenças, quadros de tamanhos, formas e molduras distintas”, explicou.
Mas como fazer as composições dos quadros e evitar furos desnecessários nas paredes? Existe um recurso muito simples usado pelos decoradores. “Para evitar qualquer erro, indica-se que recortes de papel kraft sejam testados na parede antes de pregar ou adicionar fitas adesivas para os quadros originais. Essa é uma técnica bastante comum, pois é uma maneira de visualizar melhor os espaços disponíveis para a decoração e ter uma ideia de como ficará o resultado final, ou montar no chão também é prático”, orientou Priscila.

Como fazer a personalização
• Estampas: Após definir onde cada quadro ficará, o segundo passo é escolher as imagens e gravuras que irão fazer parte da composição. Os quadros não precisam seguir o mesmo padrão de temas, como só flores, animais ou paisagens. Não há a necessidade de usar a mesma cor em todos os quadros, mas eles precisam conversar entre si, e também, com o resto da decoração do ambiente

• Altura: Estabeleça uma altura padrão para os quadros, que geralmente é de 1,60m – do centro do quadro até o chão. Assim, todos podem contemplar a peça

• Onde colocar: A composição de quadros pode ser usada em todos os cômodos da casa. A quantidade de itens varia. É necessário levar em consideração o tamanho do espaço e o tipo de imagem. Por exemplo, quadros com imagens de frutas, cafés e comidas, ficam melhores em cozinhas. Flores e lavanda, em banheiros e, por fim, as salas e quartos recebem as mais diferentes imagens, desde abstrato até algum tema definido

• Escolha do vidro: Um detalhe muito importante é o tipo de vidro utilizado. Moldura, obra e vidro devem construir uma composição harmônica. Os vidros mais indicados para quadros são os conhecidos como float (transparente, reflete a luz e não é ideal para ambientes que recebem muita luz) e antirreflexo (vidro fosco que inibe os reflexos de luz natural ou artificial).

Fonte: Priscila Cost

A moldura ideal
• Laca: proporciona acabamento uniforme e composições de cores em relação à obra, além das variações entre o fosco, brilhante e degradê

• Decapê policromia: permite a aplicação de várias tonalidades na moldura, evidenciando o tom predominante. Para sua confecção, são empregadas aplicações de tinta, que podem ser removidas posteriormente

• Folheação a ouro ou prata: as molduras que recebem finíssimas lâminas de ouro e prata são de origem alemã e italiana. Sua aplicação, em função da espessura, exige boas condições ambientais, além de uma mão de obra especializada. Pode ser utilizada em pequenos detalhes ou de forma predominante na moldura

• Madeira natural: modelo mais comum e usado para emoldurar quadros, aplicada com cera ou verniz poliuretano. Existem diversos tipos e tonalidades, o que permite a criação de inúmeras composições, além de proporcionar o equilíbrio entre a obra e a moldura

• Metal: a coloração metal possui uma vasta gama de perfis, tonalidades e espessuras, e também permite inúmeras composições

• Passe-partout: esse tipo está ganhando cada vez mais força na decoração, pois agrega valor, dando maior destaque à obra

Fonte: Priscila Costa