OK
Close

Parque Tecnológico em Paulínia

TODODIA Express

CLAUDETE CAMPOS PAULÍNIA | 28/07/2017-22:00:56 Atualizado em 28/07/2017-22:01:24
Divulgação
PARQUE TECNOLÓGICO | Espaço para empresas recém-criadas

Paulínia vai ganhar um Parque Tecnológico e uma Incubadora de Empresas. O convênio para viabilizar os projetos será assinado segunda, às 17h30, no Salão Nobre da prefeitura. Esse polo da iniciativa privada prevê R$ 15 milhões de investimentos e vai estimular a atração de empresas de alta tecnologia para o município. Trata-se do Galileo Parque Tecnológico e Empresarial. O primeiro passo para montar esse parque é criar a Incubadora de Empresas de base tecnológica na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).
O convênio para montar esse centro de inovação e tecnologia será assinado entre o prefeito Dixon Carvalho (PP), o reitor da Unicamp, Marcelo Knobel e o diretor geral do Galileo, o empresário Gilberto Zancanner Brito.
O papel da prefeitura será elaborar uma Lei de Incentivo à Inovação e aprimorar a Lei de Incentivo Fiscal, para atrair essas empresas dos ramos de petróleo e gás e também de tecnologia, como de computação, fibra ótica, entre outras, que vão se instalar no complexo. O Inova da Unicamp fará acompanhamento dos projetos de inovação das empresas a ser instaladas no complexo e a iniciativa privada construirá o complexo.
Esse parque será construído na Avenida Roberto Moreira, 4.700, entre a Estrada da Rodhia e a Rodovia Zeferino Vaz, do lado do Clip (Condomínio Logístico Integrado Paulínia), que já funciona há quatro anos e abriga oito empresas. Ainda não há previsão para execução da obra.
O primeiro passo para viabilizar esse parque é a montagem da incubadora de empresas de base tecnológica. O espaço é para abrigar empresas recém-criadas, que terão infraestrutura e apoio para crescerem. Segundo a prefeitura, o edital para seleção das empresas que serão incubadas estará disponível em 90 dias.
Inicialmente, as empresas incubadas vão se instalar em um prédio na Unicamp. O diretor geral do Galileo, o empresário Gilberto Zancanner Brito, informou, em nota, que o investimento será de R$ 250 mil na adaptação do espaço para incubar cerca de dez empresas. No futuro, essa incubadora migrará para o parque tecnológico.
Segundo o empresário, para credenciar como parque tecnológico são necessárias incubadoras. Essa é uma das exigências para credenciamento do parque de alta tecnologia no Governo do Estado. Quem executará as obras, orçadas em R$ 15 milhões, será a MGB Desenvolvimento Imobiliário, de propriedade de Brito.
Segundo o empresário, o licenciamento ambiental do parque tecnológico está pronto, já foi feito o registro em cartório e executado parte do reflorestamento com 24,8 mil mudas. Com o convênio firmado e a venda das áreas, serão executadas as obras de saneamento básico, asfalto, energia e instalação de fibra ótica. "O convênio vai tornar o empreendimento mais viável", disse Brito.
O complexo terá um prédio onde ficarão as empresas incubadas, os escritórios compartilhados e as demais estruturas para realização de palestras, workshops e eventos, como capacitações. Também abrigará um centro de compras e alimentação. "Vamos buscar empresas que sejam ancoras e tão logo ocorra (a comercialização dos lotes industriais) iniciamos as obras", explicou Brito.
Em nota, o diretor do Parque Científico e Tecnológico da Unicamp, Eduardo Gurgel do Amaral, disse que a cidade preenche os requisitos para se tornar a "cidade do conhecimento". Isso por causa de sua localização estratégica, do elevado índice de qualidade de vida, pela infraestrutura e pela visão estratégica dos gestores.