OK
Close

O novo eixo dos vinhos

Clube Gourmet

Texto | Claudete Campos Fotos | Divulgação | 28/07/2017-22:04:20 Atualizado em 28/07/2017-22:12:13

Espírito Santo do Pinhal, no Nordeste de São Paulo, e Três Corações, Caldas e Andradas, no Sul de Minas Gerais - cidades margeadas pela Serra da Mantiqueira - começam a despontar como o novo eixo de produção de vinhos finos de qualidade no Brasil. E isso graças à tecnologia. Vinte vinícolas da região produzem o que está sendo chamado de vinhos da Mantiqueira, que ganharam prêmios nacionais e internacionais.
Fazem parte desse movimento as Vinícolas Guaspari, Casa Geraldo, Primeira Estrada, Casa Verrone, que ganhou o Top 10 na ExpoVinis, e Luiz Porto. Esses vinhos serão degustados no dia 3 de agosto em evento da ABS (Associação Brasileira de Sommeliers) - Campinas.
A pesquisa que permitiu o salto de qualidade começou em 2003 e foi testada até 2010, em uma região que tinha a fama de ser produtora de café. Daí a audácia dos pesquisadores da Epamig (Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais), do governo de Minas, comentou um diretores da ABS-Campinas, o enófilo Renato Nahas Batista. Em 2010 saiu o primeiro vinho que usou essa tecnologia, o Primeira Estrada, de Três Corações, terra-natal de Pelé.
No Brasil, as uvas dos vinhos de melhor qualidade eram colhidas no verão, época inapropriada para a colheita das uvas, porque chove demais. Os técnicos da Epamig quebraram esse paradigma, segundo Nahas. Esses vinhos são produzidos com a técnica da dupla poda.
A florada normalmente ocorre no verão, mas, nesta época, antes de florescer, é feita a poda e a planta adia a produção para o inverno, quando as condições são mais favoráveis para a colheita. "O mundo inteiro está querendo conhecer por conta da qualidade do vinho que está saindo daqui", disse Najas.
Toscana
Apesar de esta região ser considerada por alguns enófilos como a nova Toscana brasileira (região produtora de vinho na Itália), por causa da sua paisagem, Nahas disse que é um exagero tal comparação. Segundo Nahas, este ainda é um estágio inicial, porque a região não produz vinho em grande volume.
Inverno similar ao de região famosa na França
A produção de finos de qualidade depende de as vinícolas estarem entre 30 a 50 graus do Trópico de Equador, em regiões temperadas. Não à toa que os melhores vinhos saem da Argentina e Europa. Minas Gerais fica em uma região tropical.
Segundo Renato Nahas, a Epamig constatou que o inverno na Serra da Mantiqueira reproduz os climas de verão nas grandes regiões vinícolas, como de Bordeaux, na França. Nas duas regiões, em continentes diferentes, o inverno é seco, as noites são frias com temperaturas que oscilam de 5 a 8 graus e os dias são ensolarados, com temperaturas na casa de 25 graus.
"Então, esse tipo de clima do inverno do Sul de Minas tem tudo o que a uva de vinho bom gosta. Ou seja, tempo seco, alta insolação, e amplitude térmica. Essas são as três condições básicas para produzir um vinho de boa qualidade", explicou o enófilo.
Esses vinhos, explica o diretor da ABS, são de boa qualidade, mas não são excepcionais. Como a produção é pequena, ainda são considerados caros para os padrões brasileiros e estão na faixa de R$ 100. Um dos ícones desta nova safra é o Guaspari, cujo vinho ícone da marca está na faixa de R$ 200 a garrafa. "A produção é pequena, limitada, mas é um movimento interessante de ser acompanhado", disse o diretor.
Investimento no Enoturismo
Situada em Espírito Santo do Pinhal, a Vinícola Guaspari faz parte deste movimento e também investiu no enoturismo, assim como a Casa Geraldo, em Andradas, já faz há vários anos.
Os visitantes podem conhecer os vinhedos e uvas da variedade Sauvignon Blanc em cima de um caminhão, aprender todos os detalhes do cultivo, conhecer a fabricação e fazer degustações de rótulos.
Os passeios são feitas aos sábados e domingos, com horário agendado. Os vinhos da Guaspari foram premiados nos maiores concursos mundiais, como o "Syrah du Monde" e o "Decanter World Wine Awards 2016".
"O reconhecimento sobre os nossos vinhos fez aumentar a curiosidade e o interesse das pessoas em visitar a vinícola. A procura pelo enoturismo foi algo impressionante que nos motivou a pensarmos na estruturação desse novo projeto" disse, em nota, a diretora executiva da Guaspari, Fabrizia Zucherato.
TOME NOTA
Vinícola Guaspari | Endereço: Rua Pedro Ferrari, 300, Espirito Santo do Pinhal, São Paulo | Telefone: (19) 36619191 | Agendamento: enoturismo@vinicolaguaspari.com.br | Valor: R$120 com degustação de três rótulos | Taças extras: a partir de R$25 | Visitas: Sábados e domingos com horário agendado