OK
Close

Após manobras do governo, CCJ rejeita parecer contra Temer

Brasil e Mundo

FOLHAPRESS SÃO PAULO | 13/07/2017-23:41:32 Atualizado em 13/07/2017-23:41:21
Lula Marques | Agência PT
INSATISFAÇÃO | Deputados protestam durante votação

Depois de uma maratona de manobras do governo para alterar a composição da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara, foi rejeitado ontem o parecer do deputado Sérgio Zveiter (PMDB-RJ) a favor da denúncia por corrupção passiva contra o presidente Michel Temer.
Dos 66 membros do colegiado, 40 votaram contra o parecer do relator (ou seja, a favor do governo), e 25 apoiaram o texto de Zveiter. O presidente da comissão, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), se absteve.
Pouco depois, a CCJ aprovou, por 41 a 24, um relatório paralelo, do Paulo Abi-Ackel (MG), pela rejeição da denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.
Apesar da vitória do Planalto, que dá um fôlego político a Temer, a palavra final caberá ao plenário da Câmara, onde são necessários os votos de 342 dos 513 deputados para que a denúncia siga para o STF (Supremo Tribunal Federal).
Se o tribunal decidir abrir uma ação penal, Temer é afastado por até seis meses enquanto corre o julgamento. Na Câmara, a data da votação em plenário foi marcada para 2 de agosto.
Minutos antes da votação na CCJ, governistas faziam contas e ligavam para os ausentes, caso de Francisco Floriano (DEM-RJ),que não apareceu.
Aliados de Temer esperavam placar de 42 a 23. As traições foram no Podemos e no Solidariedade. O primeiro trocou o governista Carlos Henrique Gaguim (TO) por Renata Abreu (SP), que votou pelo parecer. No segundo, o deputado Laercio Oliveira (SE), que havia sido uma das trocas entre os titulares, no lugar de Aureo (RJ), surpreendeu votando contra Temer.
No DEM, partido do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), não houve surpresas e o único voto pela denúncia foi o de Marcos Rogério (RO). O dividido PSB deu dois votos a favor e dois contra.
No PSDB, com sete representantes na CCJ, o deputado Elizeu Dionizio (MS), que era a única incerteza, votou com o governo, assim como Paulo Abi-Ackel, relator do parecer paralelo, favorável a Temer.
"Inexistindo na denúncia sequer a tentativa de demonstrar o nexo causal entre o presidente da República e o ilícito que menciona, torna-se impossível instaurar contra ele a ação penal", declarou o tucano em seu parecer.
Temer comemorou o resultado. "O presidente recebeu esta notícia com a tranquilidade de quem confia nas instituições brasileiras", informou nota do Palácio do Planalto. "A vitória é da democracia e do direito", ressaltou.
A vitória governista já era esperada, uma vez que a base aliada vinha operando desde o começo da semana para substituir deputados que ameaçavam votar contra.
Foram mais de 20 movimentações feitas por partidos que sacaram deputados favoráveis ao parecer para colocar aliados fiéis de Temer.
O intenso troca-troca patrocinado pelo Planalto na CCJ mostra que Temer terá dificuldade para conter rebelião de sua base no plenário.
Zveiter, filiado ao PMDB e que surpreendeu o Planalto ao fazer um relatório duro em defesa da denúncia da Procuradoria, chegou a dizer que o governo usou dinheiro público na tentativa de salvar seu mandato.
"O senhor Michel Temer, contra quem pesam seriíssimos indícios, acha que podendo usar o dinheiro público, bilhões de reais, pode submeter a Câmara dos Deputados", disse.
"É obstrução de Justiça usar dinheiro público para que deputados venham aqui, através da liberação de verbas, emendas parlamentares e cargos para votar por um arquivamento esdrúxulo", afirmou.
O presidente é acusado de corrupção passiva no caso da JBS. A denúncia liga Temer à mala de R$ 500 mil recebida a empresa por seu ex-assessor especial Rodrigo Rocha Loures.
VOTAÇÃO
Em um sinal de que não tem segurança de vitória, a base de apoio a Michel Temer desistiu na noite de ontem de votar a denúncia no plenário da Câmara ainda neste mês. Após reunião no Palácio do Planalto, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), anunciou que a votação ocorrerá em 2 de agosto, após o recesso parlamentar -o que pode prolongar o desgaste provocado pela crise política sobre o peemedebista.