OK
Close

O novo Casemiro

Esportes

Claudio Gioria | Editor-chefe do TODODIA e escreve aos sábados - 09/06/2017-22:19:38 Atualizado em 10/06/2017-00:46:59

Renegado no São Paulo, Casemiro é destaque do Real Madrid campeão da Liga dos Campeões.
Garanto que você leu isso em mais do que um lugar.
Não faltam exemplos no futebol de jogadores que não deram certo em um lugar, e deram em outro, mas a imprensa insiste em colocar no mesmo balde situações e atuações de momentos completamente diferentes, como se as pessoas não mudasse, ninguém evoluísse.
A culpa é sempre de quem rejeitou o futuro craque.
Desde quando apareceu para o futebol na base do São Paulo, Casemiro sempre foi tratado com um bom jogador. E sempre foi. Sempre foi um volante que sabia o que fazia com a bolas nos pés. Ninguém discutia isso.
O problema que fez Casemiro deixar o São Paulo foi sua postura em campo. Transmitia aquele ar displicente, aquele que irrita torcedor de time A ou B. Não foi a torcida que o perseguiu, foi ele quem deu motivo para o torcedor se irritar com ele.
Jogo a mil, cara dando o sangue, e o Casemiro lá, naquele mesmo ritmo. Não mudava nunca, não sentia o jogo.
Casemiro passou nas mãos de seis técnicos no São Paulo durante pouco mais de dois anos como profissional. Sim, seis. Viveu altos e baixos, e só foi o jogador que se esperava em parcos momentos neste período. Cabia perfeitamente a ele, à época, a definição de que era um bom jogador, mas se jogasse metade do que achava que jogava, estaria no Real Madrid.
Se tudo isso não fosse verdade, teria ido para o Manchester United ou o PSG. Não para o Real Madrid B. O clube espanhol, em 2013, exerceu o seu direito de compra e pagou 6 milhões de euros (R$ 15,8 milhões) pelo jogador, que atuava emprestado. Dinheiro quase de pinga para o Real, que até chegou a utilizá-lo no time de cima, mas se já fosse este "craque injustiçado", não teria saído para o Porto na temporada seguinte, e com a opção de compra de seu passe pelos portugueses.
"No Porto, eu aprendi a me tornar homem".
A frase de Casemiro, quando o Real Madrid resolveu trazê-lo de volta, diz tudo após o bom futebol, consistente, sem grandes oscilações, que apresentou em Portugal.
Os merengues tiveram de pagar nada menos do que 7,5 milhões de euros para cancelar a opção de compra do Porto e trazê-lo de volta. Sim, mais do que pagou ao São Paulo.
Agora ele é titular do Real Madrid e um potencial titular da Seleção na Copa de 2018.
Será que Casemiro seria o jogador que é hoje se ainda estivesse no São Paulo? Se não tivesse passado pelo Porto?
Provavelmente não.
Porque ele precisou passar por tudo isso para se consolidar como um jogador de alto nível, e isso já aos 25 anos. Tarde, é verdade, para jogadores de primeiro nível, mas cada um na vida leva um tempo para amadurecer e precisa de certas experiências para que consiga se firmar definitivamente na carreira que escolheu. Nada de errado. Cada um tem o seu tempo.
É injusto analisar qualquer jogador no futebol recortando o atual momento para colá-lo em algum lugar do passado, como se as circunstâncias de tudo ao redor fossem as mesmas. Elas mudam. As pessoas também.
O Casemiro de hoje tem muito pouco daquele garoto do São Paulo que sabia jogar bola, mas já se achava titular do Real Madrid antes de o ser.

Leia Mais