OK
Close

Mascote com penas

TodaGente

Texto | Claudete Campos Fotos | Divulgação | 03/06/2017-18:35:35 Atualizado em 03/06/2017-18:35:50

Eles são coloridos e brincalhões e podem substituir os cães e gatos como mascotes. São os papagaios, maritacas e calopsitas, que passaram a ser criados dentro de casa, para fazer companhia para crianças e idosos. Mas a criação dessas aves exige certos cuidados e precauções, para evitar responsabilização por crime ambiental.
O tenente Fábio da Nóbrega, comandante do 1º Pelotão da Polícia Ambiental, em Campinas, que abrange 26 municípios da Região Metropolitana de Campinas e do Circuito das Águas, informou que a criação de papagaio e maritaca exige autorização dos órgãos competentes. Se a pessoa que for pega com esses animais em casa sem autorização vai infringir o artigo 29 da Lei 9605.
"O mais indicado é adquirir esses animais de criadores legalizados, principalmente os papagaios e maritacas, desestimulando o tráfico de animais. Inclusive para ter uma maior confiabilidade da origem e saúde do animal. Acompanhamento veterinário regularmente prevenindo doenças respiratórias, nutricionais, parasitárias, entre outras", orientou a veterinária Thaísa Russo Pardini, da Pets e Selvagens Clínica Veterinária.
"São animais sociáveis e interagem bem, sendo uma distração para pessoas idosas", contou Thaísa. Quem quer enfrentar esse desafio deve tomar alguns cuidados. Esses animais precisam ter uma alimentação adequada e não devem ficar em correntes frias e ar condicionado porque são suscetíveis a doenças respiratórias.
Muitas pessoas se divertem com os papagaios, que imitam sons e frases. E esse comportamento gera gargalhadas e até mesmo piadas, que se popularizaram. "São aves de comportamento sociável e que interagem muito bem com pessoas, porém deve se atentar ao comportamento monogâmico, pois pode fazer com que ele desenvolva atitude agressiva por ciúmes do seu tutor", explicou Thaísa.
Cuidados com as aves
A criação dessas aves exige ambientes amplos. O ideal é ter espaço para voo e puleiros, para chegar mais próximo do ambiente natural. Se os animais forem mantidos em gaiolas, podem ser usados forros para coleta das vezes, mas o animal não deve entrar em contato direto com o jornal, pois a tinta do jornal é tóxica quando ingerida, orientou a veterinária Thaísa Russo Pardini.
São aves herbívoras que se alimentam de frutas e sementes. Existem formulações de rações comerciais elaboradas para essas aves, que fornecem nutrientes essenciais para o bom funcionamento do seu metabolismo, o que permite uma dieta equilibrada perfeita, explicou a profissional. Petiscos como bolacha, arroz cozido, café, pão e sementes de girassol em excesso, a longo prazo, fazem mal à saúde do animal.
Da mesma família
Além dos papagaios e calopsitas, as pessoas também têm o hábito de criar maritacas, Segundo Thaísa, elas são parentes dos papagaios e se diferenciam pelo tamanho e coloração.
A origem
As maritacas e algumas espécies mais comuns de papagaios são originários do Brasil, mas alguns papagaios são originários de outros países, como o papagaio-do-Congo. A calopsita é de origem australiana.
O que diz a lei
Calopsita - É um animal exótico, não é da fauna nativa do Brasil. Então ela pode ser criada por qualquer pessoa dentro de casa. Então, não tem problema nenhum a Polícia Ambiental chegar em uma residência e encontrar uma calopsita. No caso de animal exótico, que seja calopsita, piriquito australiano e Agapornis pode ter sem necessidade de autorização.
Papagaio e maritaca - São animais nativos, ou seja, têm a vida no Brasil ou parte da vida no País. Então os proprietários de animais da fauna nativa, para poder criar em casa, precisam de uma autorização do órgão competente, que pode ser o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente) ou o Departamento de Fauna da Secretaria do Meio Ambiente.
Fonte: Tenente Fábio da Nóbrega