OK
Close

'REVÓLVER NA CABEÇA'

Fogo Cruzado

09/05/2017-23:33:31 Atualizado em 09/05/2017-23:33:19

O prefeito de Americana, Omar Najar (PMDB), comentou sobre o funcionamento total da Creche Tupã, no Vale das Nogueiras, alvo de queixas do vereador Wellington Rezende (PRP). Com capacidade para atender até 250 crianças, a unidade funciona parcialmente porque a chegada de um transformador é aguardada. "Quando eu inaugurei eu falei isso. Ela (Creche Tupã) é prevista para 200 crianças, mas vai abrir devagar, aos poucos. Não tenho condições de abrir com 200 crianças hoje. Essa história do transformador nós que falamos, não estamos escondendo nada. A empresa que fez a parceria vai trocar o transformador, mas eu não vou pôr um revólver na cabeça do cara e falar: 'troca o transformador'", afirmou.
"UM INCÊNDIO POR DIA"
Ele pediu compreensão aos vereadores, disse que "tem de apagar um incêndio por dia" na prefeitura e que está tentando solucionar os problemas do município da forma mais rápida possível. "(Ele, Wellington) quer ser candidato a prefeito? Se candidata a prefeito na próxima (eleição), que eu acho que é essa a intenção, e resolve o problema. Eu estou tentando resolver de acordo com meu tempo, de acordo com a situação que se encontra o município. Eu tenho que apagar incêndio toda hora aqui. Tenham um pouco de compreensão e de boa vontade para ajudar o município. Eles não veem as coisas boas do município. Criticar é fácil", acrescentou.
CONCORRÊNCIAS
O chefe do Executivo também atualizou em que pé andam algumas licitações de interesse da prefeitura. Segundo Omar, devem chegar nos próximos dias câmeras de videomonitoramento adquiridas por meio de convênio com a Agemcamp (Agência Metropolitana de Campinas). "Foram quase dois anos nessa brincadeira. Burocracia é complicado", lamentou. O prefeito também destacou que, ontem, a empresa vencedora da licitação para operação dos radares esteve em Americana para uma demonstração técnica. "Conseguimos uma economia grande em relação ao segundo colocado. Logo mais vamos fazer conseguir funcionar os radares".
SEM ACESSO 1
A CEI (Comissão Especial de Inquérito) da Câmara de Sumaré que investiga o contrato entre a prefeitura e a BRK Ambiental, antiga Odebrecht Ambiental, divulgou que não será permitido acesso da imprensa ao local onde será colhido o depoimento do ex-diretor presidente da empresa Guilherme Pamplona Paschoal, durante a oitiva. Segundo a assessoria de imprensa do vereador e presidente da comissão, Willian Souza (PT), a decisão foi tomada pela CEI e a disponibilização da íntegra do depoimento, posteriormente, dependerá de parecer jurídico. O depoimento acontecerá hoje, a partir das 10h, na Câmara. Por motivo de segurança, não haverá expediente no Legislativo, informou a assessoria da Casa.
SEM ACESSO 1
Segundo a assessoria do Legislativo, Paschoal foi convocado para prestar esclarecimentos sobre possível fraude à licitação no contrato de concessão dos serviços de saneamento de Sumaré à BRK. No dia 16 de dezembro, Paschoal prestou depoimento à Procuradoria da República em Pernambuco e disse que pagou R$ 600 mil em Caixa 2 para a então candidata pelo PSDB, Cristina Carrara (PSDB), meses antes das eleições de 2012, vencidas por ela. Segundo ele, o objetivo era obter vantagem durante o processo de concessão do serviço à empresa.