OK
Close

A mudança vem de dentro

Clube Gourmet

Texto | Claudete Campos Fotos | Divulgação | 12/05/2017-19:26:08 Atualizado em 12/05/2017-19:29:31

Diante de tantas informações nas redes sociais e nos programas de televisão, fica difícil dizer quais são as melhores dietas para levar uma vida mais saudável. O fato é que as pessoas só mudam sua alimentação se quiserem. É o que a nutricionista e pesquisadora Aline Quissak chama de maturidade nutricional.
A nutricionista publicou recentemente o e-book "Mood and Food: receitas para reduzir estresse, ansiedade e melhorar seu humor". Para que haja uma mudança efetiva e uma melhora na qualidade de vida do paciente, precisa estar consciente, diz Aline, na terceira reportagem sobre alimentação saudável. Não existe uma regra, mas um gatilho. A maturidade nutricional é adquirida com o tempo e cada um tem a sua para iniciar a mudança de hábitos. Experiências mal sucedidas de dietas restritivas também ajudam a atingir essa maturidade, explica.
"A mudança só acontece se surgir de um impulso interno, não podemos obrigar a pessoa a mudar seus hábitos se ela não estiver disposta a isso. Por isso, dietas da moda não são sustentáveis, uma vez que o resultado é apenas estético e momentâneo, o efeito rebote sempre é a consequência, vem o aumento de peso acompanhado de frustração, compulsão por doces e massas e muitas vezes distúrbios alimentares", diz Aline.
A pesquisadora ressalta que comer deve ser um ato prazeroso. "Comer não é apenas nutrir-se de vitaminas, minerais e calorias, comer é um entretenimento. Por isso é essencial o acompanhamento de um nutricionista para harmonizar a necessidade bioquímica com o prazer e a cultura de cada paciente. Vai muito além de um simples ato e deve sim, ser prazeroso. É possível unir ambos os lados, comer bem e ter uma vida mais saudável", diz a pesquisadora.
Recomendações
- Alimentos com boa fama: Dicas de alimentação que fazem parte do senso comum podem ter efeitos negativos ao organismo se ingeridos em excesso. É o caso do alto consumo de fibras, que pode levar a casos de intestino preso e a uma menor absorção de algumas vitaminas e minerais. E também das frutas, que são ricas em açúcares simples e cujo consumo em excesso promove o ganho de peso e desordens metabólicas.
- Diversifique seu cardápio: Limitar as opções pode causar monotonia alimentar e diminuir a percepção de que a alimentação deve ser, além de saudável, prazerosa. A diversidade alimentar é fundamental para que sejam ingeridas as quantidades adequadas de vitaminas, minerais e compostos bioativos dos alimentos.
- Evite alimentos com altas quantidades de compostos químicos: Alimentos fontes de gordura trans, nitritos, nitratos e outros, consumidos com frequência, mesmo que em quantidades pequenas, fazem mal a saúde. São os alimentos industrializados, como a maioria dos biscoitos e bolachas, sorvetes, bolos prontos, alimentos congelados, embutidos, refrigerantes, alimentos coloridos artificialmente, caldo de carne, entre outros. Recomenda-se consumo de alimentos minimamente processados, caseiros e naturais.
- Leia as embalagens: Produtos vendidos como saudáveis podem mascarar ingredientes prejudiciais à saúde, como é o caso dos biscoitos integrais, que algumas vezes contêm mais açúcar do que fibra em sua composição. No caso do suco de caixinha, se for néctar de fruta, significa que tem apenas de 20% a 40% de suco e o restante é composto de água, açúcar e aromatizante. Mesmo os que realmente são sucos costumam perder quantidade considerável de nutrientes no processo de pasteurização e envasamento, o que torna os sucos feitos na hora as melhores opções. Ler os rótulos permite que sejam feitas as melhores escolhas.
Fonte: Nutricionista Daniel Barreto de Melo