OK
Close

Orientação era não registrar queixas, diz ex-gerente

Cidades

PEDRO HEIDERICHSUMARÉ | 20/04/2017-23:34:10 Atualizado em 21/04/2017-00:20:51
Divulgação
DEPOIMENTO | Ex-gerente do Procon foi acusada de omissão

A ex-gerente do Procon (Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor) de Sumaré Andréa Uchôa afirmou que foi orientada a não registrar reclamações contra a Odebrecht Ambiental quando coordenava o órgão, em 2015 e 2016. A declaração foi dada ontem, em depoimento à CEI (Comissão Especial de Inquérito) aberta na Câmara de Sumaré para investigar o contrato entre a prefeitura e a empresa.
Andréa relatou que recebeu a orientação do ex-secretário de Controle Interno e Transparência de Sumaré, João Moreira. "Ele disse para não registrarmos reclamações contra a Odebrecht até que ele consultasse o setor jurídico da prefeitura, pois éramos da prefeitura e a Odebrecht tinha fechado contrato com a gente", afirmou.
Segundo ela, a ordem era apenas para a Odebrecht. Na época (2015), a empresa foi alvo de cerca de três mil reclamações de moradores de Sumaré, que apontaram que receberam duas contas iguais no mesmo mês, de acordo com Andréa. Também houve queixas sobre o aumento do metro cúbico e de cortes indevidos, disse a depoente.
"Era a empresa que mais recebia reclamação e não fazia nada para resolver a situação com o consumidor. Eles chegavam a copiar as mesmas respostas para solicitações diferentes, errando o nome do cliente, um control c control v (comando para se copiar no computador) mesmo", conta. A ex-gerente disse que Moreira não a procurou mais e que foi atrás dele e disse que ia registrar as reclamações dos clientes.
Apesar de registradas, as queixas não tiveram andamento, como nos demais casos no Procon, segundo Andréa.
"Você não fez nenhuma sanção administrativa enquanto gerente do Procon contra a Odebrecht", disse o presidente da comissão, vereador Willian Souza (PT). Ela alegou que não tinha respaldo dentro da administração municipal para resolver a situação e que não conseguiu ter acesso a membros do Executivo ou à prefeita Cristina Carrara (PSDB) para apontar a situação e questionar a orientação de João Moreira.
O vereador acusou a ex-gerente do Procon de proteger a Odebrecht. "Ela tem fotos no Facebook com a ex-prefeita, em que aparenta ter uma amizade. Como que em dois anos não conseguiu falar com ela sobre a situação? Não falou, pois é comissionada, é do PSDB e protege a Odebrecht. Por que não fez uma denúncia no Ministério Público?", indagou. O vereador Ronaldo Mendes (PSDB) criticou a ex-gerente e a acusou de omissão. "Deveria ter se empenhado em avisar o Executivo".
AVISO
Em depoimento, Andréa disse que no evento comemorativo dos 100 dias de gestão do prefeito Luiz Dalben (PPS), dia 10, João Moreira falou com ela. "Ele disse para mim que teve repercussão minha fala na audiência (ela havia relatado a orientação durante audiência pública com os vereadores, motivo de ter sido convocada para a CEI)".
Moreira teria dito ainda, segundo a mulher, que a ex-prefeita Cristina "ficaria chateada" se soubesse da declaração que ela fez. "Ele me contou que uma pessoa da Odebrecht ligou para ele pedindo meu telefone", acrescentou. A ex-gerente do Procon negou ter se sentido coagida e afirma que não recebeu nenhuma ligação da equipe de Cristina ou da empresa.
Em agosto de 2015, João Moreira foi afastado do cargo de superintendente da secretaria de governo e Luiz Calos Piazentin assumiu. Andréa afirmou que contou para ele a situação. A resposta de Piazentin teria sido semelhante. "Ele disse que precisava conversar com o jurídico", contou. A ex-gerente ainda relatou situações precárias no Procon, como falta de fiscalizadores.
Diante das acusações, João Moreira e Luiz Calos Piazentin, foram convocados para prestar depoimentos para a CEI na próxima sexta-feira, a partir das 10h, no Plenário da Câmara.
Também será convocado um promotor público para acompanhar os depoimentos. A CEI foi instaurada no dia 23 de fevereiro. São 120 dias para investigar o contrato entre a Prefeitura e a Odebrecht, apresentando um relatório final. Se necessário, o prazo pode ser prorrogado por igual período.