OK
Close

Ajudante é morto com tiros no rosto em Hortolândia

Polícia

PEDRO HEIDERICH HORTOLÂNDIA | 18/03/2017-18:34:23 Atualizado em 18/03/2017-18:34:09
Arquivo | TODODIA Imagem
delegacia | Esposa disse que vítima não tinha desafetos

O ajudante geral Fábio Martins, 30, foi assassinado com tiros no rosto na madrugada de anteontem, em Hortolândia. Seu corpo foi encontrado por moradores na Rua Salvador, no Jardim Nova América, por volta das 3h30. De acordo com a PM (Polícia Militar), a esposa dele, que foi ao local, disse não saber o motivo e nem quem foi o autor do crime.
Conforme o relato dos militares, a esposa disse que a vítima não estava recebendo ameaças e que não tinha desafetos. Martins foi atingido, segundo a corporação, por "pelo menos dois tiros no rosto" e ainda levou "outros tiros na região da virilha". O ajudante geral morava no bairro em que foi assassinado.
O caso foi registrado como homicídio simples e é investigado pelo 1° DP (Distrito Policial). De acordo com a PM, ainda não foram encontradas testemunhas do crime e nem câmeras de segurança próximo do local onde o corpo foi localizado.
A reportagem não conseguiu contatar a esposa e a família da vítima.
HISTÓRICO DE CRIMES
Neste ano, ao menos dez pessoas foram assassinadas em Hortolândia. Exatamente uma semana antes do assassinato de Martins, na sexta-feira, dia 10, um trio de jovens (dois de 16 anos e um de 18) foi assassinado dentro de um caminhão roubado na Rua dos Flamingos, no Chácaras Recreio Alvorada. O trio morava no Parque Orestes Ongaro e estaria usando drogas dentro do caminhão quando uma dupla chegou atirando. Ninguém foi preso.
Em fevereiro, além de um ajudante geral de 22 anos encontrado morto a pauladas em um matagal no Jardim Boa Esperança, um comerciante de 47 anos foi assassinado com cinco tiros quando abria sua mercearia, no Jardim Amanda.
Em janeiro, segundo as estatísticas mais recentes da SSP (Secretaria Estadual de Segurança Pública), houve quatro homicídios. Em todo o ano de 2016, conforme os dados da SSP, 26 pessoas foram assassinadas. Nos três primeiros meses do ano passado, houve oito homicídios, número já superado neste ano.