OK
Close

Um ar retrô

TodaGente

Texto | Claudete Campos Fotos | Divulgação | 25/02/2017-17:00:02 Atualizado em 25/02/2017-17:09:12

Eles dão um ar retrô na decoração. E ainda podem ser usados para separar os ambientes. São os cobogós. Os arquitetos têm redescoberto esses charmosos elementos decorativos vazados, que deixam passar luz natural e vento. Voltaram repaginados, com novos formatos, materiais e cores.
Segundo a Elemento V e a Itanhangá Pisos e Revestimentos, os cobogós sempre foram usados para melhorar a circulação de ar nas casas por causa dos elementos vazados. "Em um país quente como o Brasil, ter um revestimento que ajuda a decorar e ainda torna a casa menos quente é realmente muito vantajoso!", cita a Itanhangá.
Uma das vantagens desse tipo de revestimento, usado como divisória, é ajudar a aproveitar a luz natural. Suas formas vazadas ajudam a deixar a iluminação passar e se propagar pelos cômodos da casa. E ainda têm diferentes formatos que contribuem com a decoração da casa e sua iluminação e os elementos vazados desenham a sombra nos pisos e paredes.
Dicas | Decorar com cobogós
Há grande variedade de cores, formatos e materiais. Antes feitos de cimentos, são encontrados em cerâmicas esmaltadas;
Usar para substituir uma parede da casa ajuda a refrescar, integrar os espaços e criam um ambiente open space (espaço aberto), tão em moda ultimamente;
A mistura entre a aparência retrô dos cobogós com a estética moderna dos ambientes integrados cria um visual diferente para qualquer residência;
Também podem ser aplicados em ambientes externos, para valorizar o paisagismo e proporcionar uma vista parcial do entorno e até mesmo adicioná-los a uma fachada.
Fonte: Elemento V | Itanhangá Pisos e Revestimentos
A origem
Surgiu na década de 20, em Recife (Pernambuco), mas seu auge foi na década de 50. Foi criado por um grupo de engenheiros formado pelo português Amadeu Oliveira Coimbra, o alemão Ernesto August Boeckmann e o brasileiro Antônio de Góis. O nome derivou da primeira sílaba dos sobrenomes dos criadores. A herança foi dos muxarabis da cultura árabe, aquelas divisórias em madeira usadas para fechar parcialmente os ambientes. Seu maior difusor foi o renomado Lúcio Costa.
Fonte: Bianca Candelaria | Blog Por Falar em Arquitetura