OK
Close

Estrada está 'intransitável', diz engenheiro ambiental

Cidades

RODRIGO ALONSOAMERICANA | 05/01/2017-23:51:02 Atualizado em 09/01/2017-18:01:45
Claudeci Junior | TODODIA Imagem
IVO MACRIS | Há trechos em que é impossível transitar em dias de chuva, segundo engenheiro

Repleta de buracos, a Estrada Vicinal Ivo Macris foi novamente alvo de reclamação. Anteontem, o engenheiro ambiental Vanderlei Massari enviou um e-mail com críticas para as prefeituras de Americana e Cosmópolis e também para as sedes do MPE (Ministério Público Estadual) nas duas cidades. No texto, ele destaca que a via está "intransitável" para veículos por conta dos buracos. O TODODIA já publicou uma série de reportagens sobre as condições precárias da via.
"Os buracos se tornaram crateras e, em alguns pontos, estão tornando a vicinal intransitável para carros e motos, principalmente nos municípios de Americana e Cosmópolis, colocando em risco a segurança de motoristas e pedestres. Em outros trechos, os motoristas acabam desviando e invadindo a faixa contrária da via podendo ocasionar acidentes", escreveu Massari.
Segundo o engenheiro ambiental, os pontos críticos são as rotatórias de Cosmópolis, o km 6, o trecho do Casarão de Salto Grande e os arredores da ponte que fica na região do Sobrado Velho.
À reportagem, ele disse que utiliza a Ivo Macris diariamente há dez anos, pois mora em Paulínia e trabalha em Americana. No entanto, devido ao estado da estrada, ele tem evitado usar a via em dias de chuva. "Se for um dia de chuva, nos locais que eu citei não dá para passar com veículos", comentou.
No e-mail, Massari também menciona o trânsito de caminhões "pesados" que transportam combustíveis ou produtos químicos, embora haja sinalização que proíbe o tráfego de veículos acima de três eixos. "Não há qualquer fiscalização do poder público", acusou.
Para ele, as administrações tratam a estrada com descaso. "Não são realizados quaisquer serviços de limpeza, tapa buraco, roça de canteiros e sinalização (...) Pagamos impostos altíssimos, como IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), e nos deparamos com essa situação lamentável", destacou.