OK
Close

Dilma considera intolerável machismo justificar chacina em Campinas

Brasil e Mundo

Da redação | 03/01/2017-09:04:32 Atualizado em 03/01/2017-09:06:04

A ex-presidente Dilma Rousseff se manifestou nesta segunda-feira (02) sobre a chacina em Campinas e considerou o crime um feminicídio – violência contra as mulheres motivadas por desprezo de gênero. Dilma se manifestou por seu perfil no Facebook e disse que o momento é de fortalecer os direitos humanos.
Em uma carta enviada para amigos antes de cometer os 12 assassinatos e o suicídio, no Réveillon, o técnico em laboratório Sidnei Ramis de Araújo, 46, fez diversos xingamentos à ex-mulher, Isamara Filier, 41, que também morreu. Ele chamava Isamara de vadia a todo momento e a culpava pelo distanciamento do filho.
“Filho, não sou machista e não tenho raiva das mulheres (essas de boa índole, eu amo de coração, tanto é que me apaixonei por uma mulher maravilhosa, a Kátia) tenho raiva das vadias que se proliferam e muito a cada dia se beneficiando da lei vadia da penha! [escreveu em referência à Lei Maria da Penha, que ampara mulheres vítimas de violência] (...) Sei que me achava um frouxo em não dar uns tapas na cara dela, más eu não podia te dizer as minhas pretensões em acabar com ela! Tinha que ser no momento certo”, escreveu Sidnei em um trecho da carta.
Veja a publicação de Dilma:
“A misoginia mata todos os dias. Matou Isamara Filier, uma criança, outras oito mulheres e três homens.
É intolerável que o machismo encontre eco no pensamento conservador e justifique o feminicídio.
O momento é de fortalecer a política de direitos humanos para defender as mulheres da cultura do ódio e da violência pelo único motivo de serem mulheres.
Devemos defender com firmeza a Lei Maria da Penha e fazer valer a Lei do Feminicídio para que a impunidade não seja mais escusa para novas mortes”.
Em março de 2015, Dilma sancionou uma lei que classificou o feminicídio crime hediondo, ou seja, aqueles considerados mais graves e que não existe possibilidade do pagamento de fiança.
O presidente Michel Temer (PMDB) já havia se manifestado pelo Twitter.
Nota de Temer: “Lamentamos profundamente as mortes ocorridas em Campinas. Manifestamos nosso pesar junto às famílias. Que 2017 seja um ano de mais paz!”.

Comentários