OK
Close

Corte gera economia de R$ 10,6 mi

Sumaré

claudete campos sumaré | 25/11/2016-00:41:03 Atualizado em 25/11/2016-00:41:05

A Câmara de Sumaré vai economizar R$ 10.697.617,35 com o corte de 42 cargos de assessores legislativos de 2017 a 2020. Isso porque a Mesa Diretora reduziu de três para um os cargos de assessores para cada vereador, a partir de 1º de janeiro do ano que vem.
A medida foi adotada para economizar, segundo a assessoria jurídica do Legislativo. Cada assessor ganhava R$ 3.773,41 mensais. Contudo, a lei manteve em 21 os cargos de chefes de gabinete, que coordenam os trabalhos.
O autor do projeto, o presidente da Câmara, Welington Domingos Pereira, o Welington da Farmácia (PSL), informou semana passada que a medida servirá para contenção de gastos. A redução foi de 63 para 21 profissionais. Todos eles ocupam cargo em comissão, de acordo com a publicação dos atos oficiais.
Na próxima legislatura, cada um dos 21 vereadores terá direito a apenas um assessor. Os parlamentares também poderão contar com um chefe de gabinete. "Os cargos de que trata este artigo serão distribuídos proporcional e igualitariamente entre os 21 gabinetes de vereadores", diz a lei.
OUTRO CASO
O Ministério Público tem fechado o cerco ao excesso de cargos de assessores nos Legislativos da região. Em dezembro do ano passado, o TODODIA também noticiou que o promotor de justiça Leonardo Romano Soares ingressou na Justiça com uma Ação Civil Pública com pedido de liminar contra a Câmara de Santa Bárbara d'Oeste, na qual pedia a demissão de 38 assessores parlamentares comissionados em 72 horas.
Porém, a liminar não foi concedida pela juíza Eliete de Fátima Guarnieri. Ela apontou que não se justifica o deferimento da liminar, pois não há "periculum in mora".