OK
Close

'Entusiasmo exagerado' faz jovem mudar muito e pode atrapalhar visão a longo prazo

Especiais

ANDRÉ ROSSI REGIÃO | 16/07/2016-19:01:10 Atualizado em 16/07/2016-19:02:31
Arquivo | TODODIA Imagem
marcus garcia | Para ele, é preciso que jovem tenha autocrítica

Se manter no mesmo emprego em um período de crise econômica é um dos principais objetivos de quem está no mercado de trabalho. Porém, passada a fase de adaptação, o que se vê é que a mudança de emprego entre os mais jovens após um curto período na empresa costuma ser mais frequente.
De acordo com o especialista em inteligência emocional, gestão de pessoas e professor do Isae (Instituto Superior de Administração e Economia) Marcus Garcia, essa é uma tendência entre o público jovem, especialmente na faixa dos 20 aos 25 anos. Na opinião dele, há um "entusiasmo exagerado" que atrapalha a visão a longo prazo.
"Eles têm esse entusiasmo exagerado para o desenvolvimento de novas responsabilidades. O jovem entra na empresa, começa a atuar e já vai em busca de uma quantidade grande de responsabilidades. Às vezes ele passa a entender que já se esgotou tudo o que ele podia fazer na empresa de maneira muito rápida", afirmou Garcia.
O especialista acredita que tal comportamento se dá por conta da enxurrada de informações que estão disponíveis a todo o momento através da Internet e das redes sociais. Isso faz com que esses jovens tenham uma necessidade de obter resultados e avanços de forma mais rápida.
"Isso acaba gerando um exacerbamento no jovem. Ele perde a perspectiva do desafio. Ele entende que se ficar um ano e meio, dois anos na empresa, já esgotou tudo o que podia fazer. Isso é um equívoco. Ele mal está começando a perceber os desafios de uma organização", comentou Garcia.
Tal comportamento influencia também na forma como as empresas selecionam novos funcionários. "Eles estão buscando perfis de jovens que já trazem alguma bagagem, de experiência de mercado, em detrimento de investir no jovem, que tem dificuldade em criar um vínculo com a empresa", disse o especialista.
Quando o profissional em início de carreira começa a sentir esse tipo de frustração após um curto período no emprego, é preciso ponderar os objetivos em longo prazo. Autocrítica e bom senso são recomendados, segundo ele.
"Quando o jovem percebe que a empresa não está lhe dando a chance de se desenvolver, se aprimorar, é o momento de olhar para o mercado, ver as possibilidades e o que outras empresas podem dar a mais de desafio. Mas isso tem que ser feito de forma honesta. Não funciona para aqueles que acham que já sabem tudo, que se veem como plenos. Tem que ser quando ele realmente sente que seu potencial vai além do que está fazendo", orientou Garcia.