OK
Close

No mesmo ponto há 31 anos

Santa Bárbara d'Oeste

ANDRÉ ROSSISANTA BÁRBARA D'OESTE | 14/05/2016-00:42:26 Atualizado em 14/05/2016-00:44:27
TODODIA Imagem
LOTADO | Carrinho do Alemão nunca fica sem clientes; o mais tradicional deles é o x-bacon, de acordo com ele

"Pode sentar aí e aguardar um pouquinho. Só faltam cinco lanches. Já faço o seu". "Vamos sentando. Tem só sete lanches na fila".
Essas frases são comuns de serem ouvidas na barraquinha do Alemão, que faz lanches há 31 anos em Santa Bárbara d'Oeste. O nome do chapeiro é Olívio Buzoni, 66, mas ninguém o chama pelo nome de batismo. "Dá pra contar no dedo quem sabe meu nome. Aqui é só Alemão, barraquinha do Alemão", contou.
Embaixo de uma árvore da Rua General Osório, no Centro, atrás da Paróquia Santa Bárbara, Alemão monta seu carrinho de lanches às 8h e vai até as 18h, de segunda a sábado. Mesmo ponto e mesma rotina desde 1985.
"Tem que ter as 'manhas' de fazer as coisas. Tem gente que não tem vontade. Se não trabalhar com amor no serviço não vai a lugar nenhum", aconselhou Alemão, enquanto despedaçava um grande pedaço de bacon para colocar nos cinco lanches que preparava ao mesmo tempo.
Antes de fazer lanches, Alemão trabalhou na lavoura e no comércio. Começou cedo, aos 7 anos, ajudando os pais na fazenda. Depois de sua família cansar de morar na área rural, ele se mudou para Americana, em 1972. Na cidade vizinha, atuou como ajudante de supermercado durante dez anos.
Foi em Americana que Alemão conheceu a esposa, com quem tem duas filhas, e que descobriu o apreço por fazer lanches. "A minha esposa, quando era solteira, vendia lanches com o meu sogro. Depois a gente seguiu o ramo. Veio da família dela", explicou.
Em 1984, ele e a esposa se mudaram para Santa Bárbara d'Oeste. Durante aquele ano, Alemão trabalhou como ajudante em um supermercado. Entretanto, no ano seguinte, resolveu investir no próprio negócio e fazer o que mais gostava: lanches.
"Eu quis mudar de ramo. Aquele tempo era bom para emprego. Saía de um lugar e já entrava no outro. Mas eu vi que (fazer lanches) era um ramo que poderia dar certo, e graças a Deus funcionou", lembrou.
O lanche mais requisitado na barraquinha é o x-bacon. "Esse é tradicional. Quase todo mundo pede. Tem que gente que compra comigo há 30 anos, desde o começo", comentou Alemão.
O operador de empilhadeira Everton Delfino do Nascimento, 32, é cliente de Alemão há 15 anos. Seu lanche preferido, como não poderia deixar de ser, é o x-bacon. "Não é tanto o ingrediente, é mais o sabor, a qualidade da mão do Alemão. O sabor do lanche dele é impressionante. Fora que quando você passa no Centro, o cheiro já impregna e você tem que vir comer. Não tem jeito", relatou.