OK
Close

Família ainda vive em Santa Bárbara d'Oeste

Santa Barbara d Oeste 197 anos

Atualizado em 03/12/2015-23:59:05
Gerações | Luiz Claudio com o filho Felipe e a neta Laura

Quando trabalhava na fábrica das indústrias Romi, era comum Luiz Cláudio da Graça Martins ouvir - em tom de brincadeira - frases como "se não fosse pela sua tataravó, essa porcaria de cidade não existia! Ela não fundou, afundou a cidade!", ao que vinha sempre a resposta: "Ela começou a afundar e eu estou continuando o trabalho!". O tetraneto da fundadora do município disse que, além do sobrenome, as brincadeiras dos amigos são a única ligação que resta entre a família de hoje e a que veio para a região em 1817 para cuidar do engenho que, no ano seguinte, foi o marco inicial para Santa Bárbara d'Oeste.
Luiz Cláudio, o filho Felipe e a neta Laura, 5, - além da irmã do operário aposentado - são os Graça Martins que restaram em Santa Bárbara d'Oeste e têm ligação por linhagem direta com a fundadora, Margarida da Graça Martins. Luiz Cláudio ressalta que nunca teve nenhum tipo de herança ligada ao engenho da tataravó e que não guarda nenhum tipo de recordação de família que remeta ao século 19. Ele custou a saber que a própria fábrica antiga da Romi, onde trabalhou por 27 anos, fica sobre uma área que era de propriedade da família.
"Eu nunca liguei muito para esta origem. Só me lembro da cerimônia que houve quando trouxeram as ossadas dela para Santa Bárbara, eu ainda era criança. Além das brincadeiras, só me lembro mesmo disso (da origem familiar) quando chega a época de 4 de dezembro."
NO CARNAVAL
Ainda que acabe sendo apontado como símbolo involuntário da fundação de Santa Bárbara, não é sem orgulho que Luiz Cláudio é um Graça Martins. A filha dele, Ana Paula, por exemplo, já desfilou em um Carnaval da cidade fantasiada de Dona Margarida, para o orgulho do pai. "Minha filha ficou igualzinha à imagem da estátua!"
Nascido e criado em Santa Bárbara, depois também criou os dois filhos lá. O tempo na cidade, e a participação em entidades como o Rotary, o fazem enumerar sempre os sobrenomes que conheceu ao longo da vida em Santa Bárbara. "Eu nunca liguei para isso, mas nome é tudo, se você não tem nome, não tem nada."